O CRMV-GO homenageia as médicas-veterinárias e zootecnistas inscritas em Goiás neste 08 de março, Dia Internacional da Mulher

8 de março de 2019
por

As médicas-veterinárias inscritas no CRMV-GO somam 3.217 de um universo de 6.749 pessoas e as zootecnistas, 528, do total de 1.419 (profissionais ativos e inativos). Realmente uma mudança drástica num cenário de mercado antes dominado por homens. Neste dia 08 de março, vamos mostrar a trajetória de duas mulheres realmente inspiradoras para a Medicina Veterinária e a Zootecnia, uma forma singela de homenagear todas as profissionais brilhantes inscritas no Estado de Goiás.

A primeira é a médica-veterinária e professora Dra. Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera (CRMV-GO 0406), presidente da Comissão de Bem-estar Animal do CRMV-GO, que receberá o Título de Pesquisadora Emérita do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), edição 2019. O título é concedido pelo CNPQ, desde 2005, a pesquisadores que prestaram relevantes contribuições para o país. A premiação é conferida pelo conjunto de sua obra científico-tecnológica e por seu renome junto à comunidade científica. A professora Ekaterina entra, como médica-veterinária, para uma lista que até este ano era composta somente por homens. Ela será a primeira mulher a receber o título de pesquisadora emérita na Medicina Veterinária.

Ekaterina é natural de São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul. Ela se mudou para Goiás em 1979, depois de morar por um período em Mato Grosso e na Inglaterra. Logo que chegou em Goiás, já ingressou na Universidade Federal de Goiás (UFG). Viúva do médico-veterinário Guillermo Rivera, falecido em 2014, ela tem quatro filhos.

A presidente da Comissão de Bem-estar Animal do CRMV-GO ficou extremamente honrada com a notificação do prêmio, um reconhecimento por todo trabalho na área de ciência em animais de laboratório, segmento que nunca foi tão valorizado dentro do cenário da ciência, segundo ela. “Espero fazer jus ao prêmio como sempre me dediquei a esse trabalho durante toda minha carreira”. A cerimônia de entrega do título está prevista para o mês de maio, no Rio de Janeiro.

Veja o currículo da professora Ekaterina Rivera:

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Faculdade de Agronomia e de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1967), com mestrado em Laboratory Animal Science pelo The Royal Veterinary College, University of London (1989). Doutorado cursado em 1994/95 na mesma Instituição, em estresse em animais de experimentação (não concluído) e Título de Doutora Notório Saber conferido pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em 2017. Concluiu Doutorado em Ciência Animal, em 2017, pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Membro titular do Conselho Nacional de Controle da Experimentação Animal (CONCEA), pelo CNPq. Foi coordenadora do Biotério Central da Universidade Federal de Goiás de 1979 a 2014. Continua na coordenação como pesquisadora voluntária. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa Humana do Hospital das Clínicas/UFG. Coordenadora da Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA-UFG), de 2011 a 2014. Membro do grupo de consultores ad hoc em bem-estar de animais de laboratório da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE-OMSA). Membro do grupo de trabalho do Decreto 6899-09, que regulamentou a Lei 11794-08, que trata da experimentação animal no Brasil. Membro do Comitê Gestor e da Comissão de Ensino da REBIOTÉRIOS, do CNPq. Foi membro da Comissão de Ética e Bem-estar animal do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), de 2000 a 2006. Tem experiência na área de biologia geral, com ênfase em Ética e Bem-Estar de Animais de Experimentação, atuando principalmente nos seguintes temas: animais de laboratório, ética, animais de experimentação (analgesia/anestesia/eutanásia), bem-estar em animais de laboratório, alternativas ao uso de animais em ensino, pesquisa e testes e Comitês de Ética. Trabalha com ética aplicada à medicina veterinária tendo publicado o livro “Ética e Bioética Aplicadas à Medicina Veterinária”, Ed. Goiânia (2006). Tem experiência na avaliação de testes com animais na área de toxicologia tendo sido consultora do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por sete anos. Atualmente é Presidente da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL/COBEA) para o triênio 2017-2019 e Presidente da Comissão de Bem-estar animal do CRMV/GO. Representante do Brasil junto ao International Council on Laboratory Animal Science (ICLAS), fazendo parte de sua diretoria executiva e da comissão deste órgão para normas internacionais de harmonização no ensino da ciência de animais de laboratório e de comitês de ética. Consultora ad hoc no processo de avaliação de projetos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg/GO), membro ad hoc do CONCEA e membro ad hoc do Association for the Assessment and Accreditation of Laboratory Animal Care (AAALAC).

Mulheres Zootecnistas

Outra profissional de destaque que vai representar todas as zootecnistas inscritas em Goiás é a zootecnista Christiane de Paula Rossi Carvalho (CRMV-GO n° 315/Z), analista sênior do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (IFAG), órgão ligado ao Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG). Filha de produtores rurais, nascida em Bela Vista de Goiás, Christiane Rossi sempre almejou uma forma de ajudar seu pai na lida do campo. Essa paixão a levou até o curso de Zootecnia da PUC-GO, então Universidade Católica de Goiás, onde se formou em 1998. O intuito, com a graduação, era colaborar para a melhoria das condições de trabalho e aumentar a produtividade da propriedade rural, em Bela Vista de Goiás, mas o destinou a levou para outros rumos, muito além de casa.

Começou a estagiar na FAEG, no último ano do curso, e foi contratada pela federação como assistente técnica e depois como assessora técnica em pecuária, cargo exercido até 2017, quando assumiu a função de analista sênior do IFAG. Hoje, a zootecnista consegue colaborar com os mais de 130 mil produtores rurais de Goiás dos mais variados segmentos. Christiane considera o mercado competitivo e aberto a todos, homens e mulheres, desde que tenham perseverança e gostem do trabalho. “Minha ideia inicial era ajudar meu pai e acabei na defesa de todos os produtores rurais do Estado”, assinalou ela que atua na elaboração de estudos e desenvolvimento de projetos para a sustentabilidade do agronegócio, juntamente com outros profissionais do quadro técnico do instituto.

Christiane Rossi é pós-graduada em Economia Agroindustrial pela UFG (2002) e está cursando o MBA em Agronegócio e Agroindústria com ênfase em Sustentabilidade pelo Instituto de Pós-graduação (IPOG). Ela é casada com o biomédico Saul Carvalho e tem duas filhas.  Possui qualificações técnicas em várias áreas com cursos concluídos sobre avaliação genética de bovinos, agronegócio, fomento de avestruzes, liderança rural, rastreabilidade bovina, gestão de riscos para produtores rurais, foi congressista no Congresso Internacional da Carne (2011), participou também de missão técnica de pecuária de corte para a Argentina e Uruguai (2012), tem cursos de extensão na área de  bovinocultura de corte e leite e também suinocultura, avicultura, caprino/ovinocultura e meio ambiente. Ela também é envolvida com sindicalismo no decorrer de todos esses anos. Segundo a zootecnista, uma dica para os novos profissionais é enfrentar os medos, não desistir diante dos obstáculos e respeitar as pessoas, “pois todas as experiências são um aprendizado”, finalizou Christiane.