Quasar Cia de Dança volta ao palco do Teatro Goiânia, com novo espetáculo comemorativo e lançando um dossiê sobre os 30 anos de sua obra.

25 de outubro de 2018

O novo espetáculo da companhia de dança goiana Quasar reacende uma chama que estava apagada. São essas as palavras de Vera Bicalho, diretora-geral da companhia, ao falar do novo espetáculo que chega aos palcos da cidade natal nesta semana, depois de dois anos de trabalho paralisado. “O que ainda guardo…” é o espetáculo comemorativo de 30 anos da Companhia e será apresentado nos dias 26, 27 e 28 de outubro no Teatro Goiânia, sexta e sábado às 21 horas e domingo às 19h. Os ingressos custam R$ 50,00 e R$ 25,00 a meia-entrada (o desconto é válido também para quem doar 1 litro de óleo de cozinha). Com clima de renovação, o novo trabalho nasce através de uma parceria com a grife de joias, Vivara. O espetáculo tem apoio do projeto Preciosidades Vivara e Ministério da Cultura. A circulação da obra é realizada pelo Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2015 e conta também com o apoio do SESC e da World Group Company (GO).

DOSSIÊ

No dia 26 de outubro, também em comemoração aos 30 anos da Quasar, será lançado, junto ao público presente no Teatro Goiânia, um dossiê sobre a Companhia, chamado Um Corpo Celeste em Movimento. Trata-se de um Levantamento histórico, memorial e afetivo sobre uma das mais importantes companhias brasileiras de dança contemporânea, destes últimos 30 anos.

 O conteúdo é uma compilação de entrevistas, materiais audiovisuais e impressos, que criam um panorama da história do grupo e de sua importância identitária, cultural e artística, no Brasil e no mundo. A coordenação desse trabalho foi de Luana Otto (Balaio Produções Culturais), que contou com os pesquisadores Hélio Fróes e Rô Cerqueira, no trabalho de campo, de coleta de informações e materiais. O projeto foi viabilizado com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, a Lei Goyazes, do Governo de Goiás.

A Bossa e a Quasar

O que ainda guardo…, é um espetáculo essencialmente brasileiro, que tem a Bossa Nova como o som que dá ritmo aos corpos, unindo-se às composições o talento e sagacidade que energizam os dançarinos da companhia. Por trás desse diálogo, encontramos riquezas culturais de valor inestimável. De acordo com o coreógrafo da companhia, Henrique Rodovalho, o espetáculo ainda carrega elementos que dizem sobre os 30 anos de existência da Quasar e suas características marcantes. “Estilo do movimento, o humor e a leveza na dança. O que nos faz sermos reconhecidos e admirados até hoje por onde apresentamos”, comenta o coreógrafo.

Os 30 anos da Quasar coincidem com os 60 anos da Bossa Nova, temática proposta pela Vivara para esse novo espetáculo em parceria com a Companhia goiana, especialmente convidada para o projeto. A encenação, adianta Rodovalho, não guarda um relato linear. As letras das canções de Bossa Nova foram pontos chave para que um tipo de movimento se arquitetasse entre coreógrafo e intérpretes. Os temas abordados pelos compositores, muitos deles singelos e ligados a um cotidiano ingênuo e pueril, nesta trilha sonora são cantados como se fossem conversas entre amigos. Esta maneira coloquial de fazer poesia inspirou um tipo de movimentação que permeia toda obra. A partir daí o espetáculo foi se revelando como um diálogo provocativo e nada previsível, entre temas, canções e coreografias.

O trabalho desenvolvido pela companhia goiana atendeu as expectativas da Vivara, de acordo com a diretora de marketing. “A Vivara presenteou o público de São Paulo e Rio de Janeiro, com uma experiência única, inesperada, inesquecível”, afirma Marina Kaufman, diretora de marketing da joalheria.

Volta aos palcos

Para Rodovalho, a volta aos palcos com este espetáculo representa a oportunidade de mostrar que ainda há um grande desejo de continuar o trabalho conhecido e admirado no Brasil e em mais 25 países por onde já passaram. “É uma oportunidade de mostrar que a nossa dança, apesar desta pausa, continua viva, com o mesmo desejo e com a mesma qualidade reconhecida e desejada pelo nosso imenso público que nos acompanham por todos estes anos”, comenta.

Nas palavras de Bicalho, comemorar os 30 anos com este novo espetáculo é misto de paixão e enfrentamento. “Nos dá fôlego e a certeza de que estamos vivos”, resume a diretora. Ainda que sem patrocínio de permanência, o espetáculo impulsiona o 30º ano de vida da companhia que vai circular cinco cidades com o espetáculo. Vencedores do Prêmio Klaus Vianna, da Funarte, o novo trabalho circula por Palmas (TO), Gravataí (RS), Canoas (RS) e Brasília (DF), além de Goiânia. O espetáculo já passou pelos palcos de São Paulo e Rio de Janeiro nos últimos 22, 23 e 26 de setembro.