As vítimas da indústria do ‘Fake News’ no Brasil

Há mais ou menos um mês, o dono do site, sr. Luciano, entrou em contato e disse que seu site fora suspenso/bloqueado em virtude de uma liminar do Paraná, salvo engano, através de uma ação judicial ajuizada pela senadora Gleisi Hoffmann. E que o processo corria em segredo de justiça.”

22 de Março de 2018
A colunista do Hora Extra , Claudia Wild, foi vítima da indústria da fake News

Pensa Brasil, Brasil Verde e Amarelo, Diário do Brasil, Folha Digital, Juntos pelo Brasil, Jornal do País, Saúde, Vida e Família, Você Precisa Saber, Em Nome do Brasil, Folha de Minas, The News Brazil e Na Mira da Notícia conhecem algum desses sites? Já leram alguma notícia absurda acreditou e depois veio saber que era falsa? Os sites citados estão ou estiveram recentemente no ar com características semelhantes: as chamadas fake News. Notícia capciosas feitas para enganar os mais incautos, ganhar visitas e lucrarem com publicidade.

 

Perfil do suposto estelionatário

Ontem, 21, a advogada Claudia Wild, mineira radicada na Alemanha, revelou em suas redes sociais que estava sendo vítima de um golpe aplicado por esses disseminadores de fake News. Claudia, que ganhou repercussão após seu texto sobre a morte do Ministro do STF Teoria Zavascki, tem milhares de seguidores em seu perfil do Facebook e seus textos reproduzidos como artigos de opinião, além de colaborar para alguns sites.

Para o Hora Extra a advogada argumentou que o blog de nome ‘CLAUDIAWILD.COM.BR não tem sua participação, colaboração ou mesmo qualquer vinculação, a não ser o uso indevido e não autorizado do seu nome. “Eles publicam matérias duvidosas e em tom sensacionalista”. Relata que as medidas judiciais estão sendo tomadas para que os responsáveis sejam responsabilizados. Enfatizou que não pede doações em dinheiro na internet – o que a página Brasil Verde Amarelo vem fazendo”. Ela acredita que o intuito do uso de seu nome seria para impulsionar views, conforme dito várias vezes por Luciano Vieira Silva e ainda destruir sua credibilidade nas redes sociais”

 

E continua: “há mais ou menos um mês, o dono do site, sr. Luciano, entrou em contato e disse que seu site fora suspenso/bloqueado em virtude de uma liminar do Paraná, salvo engano, através de uma ação judicial ajuizada pela senadora Gleisi Hoffmann. E que o processo corria em segredo de justiça.”

Luciano Vieira Silva não foi encontrado e a página Brasil Verde e Amarelo no Facebook não quis comentar.