Governo realiza estudo para definição do modelo de construção da nova unidade do regime semiaberto

Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia será transferido para zona rural da cidade

11 de janeiro de 2018
Foto: Google

Uma das determinações do governador Marconi Perillo no pacote de medidas anunciadas para a Segurança Pública em Goiás é que a nova unidade do regime semiaberto do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia seja construída no local para onde será transferido o presídio. Conforme parceria firmada entre governo do Estado e Prefeitura de Aparecida de Goiânia, o Complexo será transferido para a zona rural de Aparecida, para uma área que tem mais de 40 alqueires, e que foi declarada como de utilidade pública, em 2015, por meio de decreto.

O Diretor-Geral de Administração Penitenciária de Goiás, Coronel Edson Costa, afirma que o Governo do Estado já iniciou os estudos para a definição do modelo de construção. “Vai ser modular ou pré-fabricado, o que garante uma maior rapidez. De todo modo, não vai demorar. A construção será rápida. Serão cerca de 200 vagas para o semiaberto”, afirma o coronel. O local, no entanto, tem capacidade para 1,6 mil vagas que, de acordo com o projeto, serão distribuídas em três blocos.

O vice-prefeito de Aparecida de Goiânia, Veter Martins, que esteve com o governador na segunda-feira, 08, tratando do assunto, destaca a atenção e o respeito que ele e integrantes da administração municipal tiveram de Marconi.

“Como sempre, o governador foi extremamente solícito. A gente sabe que o custo da transferência de todo o Complexo, incluindo o regime fechado, é alto, mas eu, o prefeito Gustavo Mendanha, o ex-prefeito de Aparecida, Maguito Viela, que tem acompanhado as conversas, e todo o grupo político da cidade não estamos preocupados com data. Nós confiamos no governador. O importante é dar início à transferência do semiaberto e isso será feito”, declara Veter.

A construção da unidade do regime semiaberto do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia na nova localidade consta no pacote de medidas anunciado pelo governador Marconi Perillo no dia 2 de janeiro, após reunião com a cúpula da Segurança Pública, no Palácio das Esmeraldas.

Na ocasião, o governador determinou diversas ações emergenciais, a curto, médio e longo prazos. As medidas também estão no dossiê entregue à presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, na última segunda-feira, 08, em Goiânia.