Priscilla Tejota defende participação feminina e igualdade de vagas em concurso público militar

Durante Sessão Solene em homenagem à mulher na Câmara Municipal de Goiânia, a vereadora anunciou projeto que obriga isonomia de vagas nos editais de concurso da Guarda Municipal de Goiânia

14 de março de 2019
por

A Câmara Municipal de Goiânia realizou nesta quinta-feira (14), Sessão Solene em Homenagem ao Dia Internacional da Mulher e a entrega da Comenda Consuelo Nasser, honraria destinada a mulheres que se destacaram pelo combate à violência contra a mulher. Na ocasião, a vereadora Priscilla Tejota (PSD) anunciou que irá apresentar na próxima sessão plenária um projeto de lei que altera o plano de carreira da Guarda Civil Metropolitana de Goiânia e estabelece o mesmo percentual reservado de vagas para homens e mulheres em concurso público para a carreira da corporação.

 “Toda essa luta de sofrimento, não basta só homenagens às mulheres. Nós precisamos de mudanças sociais e de comprometimento. Nosso objetivo com esse projeto é assegurar a participação feminina de forma justa e sem qualquer tipo de discriminação”, explicou a parlamentar.

Pela lei atual, a obrigatoriedade é que apenas 10% das vagas disponíveis no edital sejam preenchidas por mulheres. “Esse projeto vai ser entregue, por mim, as deputadas estaduais goianas para que seja apresentado na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, para as vagas destinadas em concurso da Polícia Militar”, informou Priscilla.

Durante a sessão, foi entregue à soldado Ana Gabriela Moreira Rios Albuquerque,   integrante da Companhia de Operações do Choque da Polícia Militar de Goiás, a Comenda Consuelo Nasser. “Escolhi a soldado Moreira para receber a honraria pela sua história de luta, comprometimento e dedicação que representa também a luta da jornalista Consuelo Nasser”, declarou a vereadora.

Aos 23 anos, a soldado Moreira ingressou na carreira Militar e um ano depois se inscreveu para o Curso de Operações Especiais do Batalhão do Choque. Hoje ela é a única mulher a atuar efetivamente da Companhia de Operações de Choque nas atividades de controle de distúrbios civis, operações em presídios e patrulhamento tático. “Soldado Moreira, a senhora representa para nós, mulheres, que lugar de mulher é onde ela quiser”, declarou Priscilla.

A vereadora enalteceu também as demais policiais homenageadas, “pioneiras na 1ª Companhia de Cães do Batalhão de Choque”.

Em nome de todas as homenageadas, a soldado Moreira, falou das dificuldades enfrentadas na carreira e contou que foi criticada quando resolveu entrar para o Batalhão de Choque da Polícia Militar. “Fui muito questionada pelo fato ser mulher e de ter interesse em entrar para uma carreira tão difícil. Mas era o meu sonho fazer parte daquele batalhão de militares que muitas vezes colocam sua vida em risco para salvar outras”, expressou.

As vereadoras Dra. Cristina (PSDB), Léia Klebia (PSC) e Tatitana Lemos (PC do B), que também propuseram a sessão, fizeram o uso da palavra. A Dra Cristina reforçou a necessidade da participação feminina e da união pela luta contra a violência. “Ser feminista não é uma questão teórica, mas significa sobreviver, garantir a nossa vida. A melhor forma de sobreviver é nós darmos às mãos”.

Já a vereadora Leia Klébia ressaltou a indispensável valorização da mulher. “Que essa data nos incentive a trabalhar por um mundo mais justo e de respeito para que possamos diminuir os índices de violência e dar um basta nessa realidade”, enfatizou

Tatiana Lemos citou inúmeros casos de violência contra a mulher e reforçou a importância da resistência. Queremos o direito à vida, o fim do assédio, andar sem medo na rua. “Ser mulher é um ato de resistência”, enfatizou.

Emoção

A sessão foi marcada por um momento de emoção, quando registrada a presença da diretora Keilly Mágila, do Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Buena Vista, agredida no dia anterior por um homem, que na ocasião era assessor do vereador Paulo Magalhães. A diretora recebeu manifestações de apoio dos vereadores, do vice-governador Lincoln Tejota (Pros) e todos os presentes.

Luto

As vereadoras usaram traje preto como forma de manifestar luto pelas vítimas de violência contra mulher. “Estamos de preto, símbolo do luto, em nome das vítimas de violência em nosso país, da nossa cidade. Não podemos nos acostumar e achar que é comum ler nos jornais e ver as mulheres serem agredidas, humilhadas e mortas”, disse a vereadora Priscilla Tejota.

Mesa

A mesa foi composta pelo vereador Romário Policarpo, quem presidiu a sessão; pelas vereadoras Priscilla Tejota, Dra. Cristina Lopes, Leia Klebia, Tatiana Lemos; pelo vice-governador Lincoln Tejota,  representado o governador Ronaldo Caiado; pela Secretária Municipal de Políticas Para Mulheres, Ana Carolina Nunes Almeida, representando o prefeito de Goiânia Iris Rezende; pela soldado Ana Gabriela Moreira Rios Albuquerque,  representando todas as homenageadas.

A comenda

Como forma de imortalizar a história e a luta pelas vítimas da violência social da jornalista, advogada e feminista brasileira – fundadora do Centro de Valorização da Mulher (Cevam) – Consuelo Nasser, foi aprovada em fevereiro de 2012 a Comenda que leva o seu nome. A partir de 2014, depois de nove anos de tramitação e de grande pressão da bancada feminina da Câmara Municipal de Goiânia, 35 mulheres que atuam no combate ao desrespeito contra a mulher recebem, anualmente, a honraria.