Reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado aprova financiamento de mais de 143 milhões de reais por meio do FCO

Foi a primeira reunião de 2019 que trata a aprovação de financiamentos pelo Fundo Constitucional do Centro Oeste. A partir de agora, deve acontecer duas reuniões mensais para atender a demanda reprimida

6 de fevereiro de 2019

O Conselho de Desenvolvimento do Estado –CDE/FCO aprovou terça-feira (05), durante a 323ª Reunião Ordinária do Conselho de Desenvolvimento do Estado, recursos no valor de R$ 143,2 milhões destinados a investimentos em empresas e empreendimentos dos setores Rural e Empresarial do Estado. Com a aprovação das 26 cartas-consulta, Goiás passa a contar com a geração de mais 389 novos empregos diretos nos municípios de onde se originaram as demandas, em setores como o agropecuário e da agroindústria, em empresas de todos os portes, custeio e capital de giro.

Ao todo foram 22 municípios contemplados com 26 cartas-consulta, sendo R$ 47,2 milhões para o Programa Empresarial e R$ 96 milhões para o Programa Rural. São projetos de obras na construção civil do setor de saúde/hospitalar, construção de usina fotovoltaica, construção de galpões e armazéns, aquisição de máquinas e equipamentos, aquisição de veículos, reformas estruturais, capital de giro, entre outras demandas.

Entre os maiores volumes de recursos aprovados na reunião de hoje destacam-se os projetos da Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano, na cidade de Palmeiras de Goiás. Classificado como projeto de Pequeno Porte, totaliza R$ 57,2 milhões destinados à construção de armazém graneleiro, custeio e aquisição de equipamentos. O projeto prevê a geração de 35 empregos diretos.

Outro projeto, do Programa Empresarial de Grande Porte, aprovado hoje foi o da Indústria Farmacêutica Geolab, localizada no Distrito Agroindustrial de Anápolis – Daia, cujo montante financiado foi de R$ 12,6 milhões para ser investido na aquisição de equipamentos, capital de giro e que prevê a geração de 103 empregos diretos.

A reunião do CDE/FCO foi presidida pelo superintendente Executivo de Indústria e Comércio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Goiás–SED, César Augusto Sotkeviciene Moura, que representou o presidente do Conselho e titular da SED, Adriano Rocha Lima. “Foi uma reunião muito produtiva, onde muitos pontos da gestão do Fundo Constitucional e da parceria com o Banco do Brasil ficaram deliberados, já com encaminhamento para mudanças a serem apresentadas na próxima reunião do Conselho de Desenvolvimento”, previu César Augusto.

Deliberações

Das deliberações de hoje, todas constantes da pauta de discussão apresentada pelo Governo do Estado, esteve a aprovação do Calendário 2019, que neste ano, segundo avaliação do presidente do CDE/FCO, César Augusto, passa a ser realizada em dois eventos por mês, já a partir deste. A mudança visa melhor redistribuição e análise das cartas-consulta pelo Conselho.

Durante a reunião do Conselho, por meio do seu presidente, solicitou ao agente financeiro Banco do Brasil detalhamentos acerca das taxas de juros praticadas pelo FCO; esclarecimentos quanto ao fracionamento de projetos para a mesma empresa em diferentes cartas-consulta e sobre a suspensão das contratações nos meses de janeiro e fevereiro deste ano; taxas de juros praticadas pelo Banco mês a mês em 2018 e, também, requereu mais transparência nos processos das cartas-consulta desde a análise até à liberação do crédito, entre outras providências.

Entre as preocupações manifestadas pelo Governo de Goiás junto ao Banco do Brasil, está a baixa aprovação de projetos para o setor industrial em relação ao setor rural. “O Governo vai trabalhar para aumentar esta proporção, de forma a evitar o desequilíbrio na oferta de créditos. Queremos a proporcionalidade entre os dois programas, Empresarial e Rural”, acrescentou César Augusto, prenunciando anúncios de novas deliberações na gestão do FCO ainda neste mês de fevereiro.

Atenciosamente,