Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico e Sebrae discutem parceria para ampliar cursos de capacitação a empresários

Acordo deve resultar em mais cursos e consultorias para empreendedores

7 de janeiro de 2019

A Secretaria Estadual de Desenvolvimento (SED) e o Sebrae Goiás devem realizar uma parceria para ampliar a oferta de capacitação às micro e pequenas empresas goianas. O assunto foi discutido pelo titular da SED, Adriano da Rocha Lima, e o diretor-superintendente do Sebrae Goiás, Leonardo Guedes, em reunião realizada no gabinete do secretário, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia.

Segundo Rocha Lima, a parceria será mais uma ferramenta para favorecer o desenvolvimento das micro e pequenas empresas em Goiás. “O Estado hoje tem a Rede Itego, dos Institutos Tecnológicos de Goiás, que tem esse propósito de fazer capacitação, mas ela não consegue ser abrangente geograficamente ou em conteúdo para atender a demanda. O Sebrae complementa a rede, um investimento que retorna para o Estado, já que as empresas crescem, começam a exportar mais e geram emprego”, destaca o secretário. Ele explica que a oferta de serviços deve incluir desde a capacitação da mão de obra até a orientação ao empresário sobre como estruturar o negócio.

Além de capacitação gerencial e comercial das empresas, o Sebrae também deve oferecer consultoria para os empresários. “Nos vários estágios pelos quais a empresa passa, o Sebrae pode passar da capacitação para a consultoria, apoiando o desenvolvimento do negócio”, afirma Leonardo Guedes. A expectativa é que os serviços sejam oferecidos em unidades do Governo Estadual que têm maior proximidade com os empresários, que terão suas demandas ouvidas. Atualmente, parte dos atendimentos realizados pelo Sebrae é gratuita.

Para o secretário de Desenvolvimento, a parceria também deve favorecer o ambiente de inovação em Goiás. “As inovações disruptivas, radicais, acontecem na pequena empresa porque é a única forma que ela tem de competir. Por outro lado, só a ideia não resolve. Às vezes ela morre por falta de capacidade gerencial, de acesso a crédito, falta de conhecimento de como apresentar comercialmente o produto, empacotar para comercializar fora. A capacitação abrange tudo isso, de forma que as ideias inovadoras prosperem mais”, explica Rocha Lima.

Programas de crédito e financiamento incentivam inovação

Oferta de crédito deve ser adequada a cada fase do negócio, defende secretário

 

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Adriano da Rocha Lima, afirma que parcerias como a discutida com o Sebrae neste mês devem ser acompanhadas de políticas de acesso a crédito pelos empreendedores nas diferentes etapas de maturação do negócio. Ele lembra que a fase de pesquisa e desenvolvimento, pela própria natureza, tem taxa alta de insucesso, por isso o Estado precisa oferecer mecanismos para proteger o idealizador, com créditos voltados para essa etapa.

“O governo, em conjunto com a iniciativa privada, o Sebrae e as universidades, tem que fatiar esse crédito nas várias fases da vida da empresa. O risco do negócio cai a cada etapa, e com isso também vai sendo retirado o subsídio desse crédito. A análise passa a ser mais da capacidade de gestão financeira do empreendedor e menos do produto dar certo ou não”, complementa.

O diretor-superintendente do Sebrae Goiás, Leonardo Guedes, segue a mesma linha de pensamento. “As empresas que não enfrentam problemas financeiros passam por dificuldades da maturação do negócio e do mercado também. Novos produtos surgem, mudanças acontecem, e por isso a importância até dessa característica da nomenclatura ‘inovação’ na secretaria”, diz.