Ministro Português rebate Maduro sobre falta de pernil no Natal Venezuelano

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tinha prometido dar à população pernil pelo Natal. Tal oferta, obviamente, não aconteceu e o ditador venezuelano acusou o governo português de ser o culpado.

29 de dezembro de 2017
por
Miguel Baltaza ministro português

“O Governo português não tem seguramente esse poder de sabotar o pernil de porco. Vivemos numa economia de mercado. As exportações competem às empresas”. Foi dessa maneira que o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, em entrevista a um site português respondeu à acusação feita pela Venezuela de que Portugal tinha “sabotado” a importação de pernil.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tinha prometido dar à população pernil pelo Natal. Tal oferta, obviamente, não aconteceu e o ditador venezuelano acusou o governo português de ser o culpado. O presidente da Venezuela acusou Portugal de ter “sabotado” a importação de pernil de porco por parte do governo local.

“O que é que se passou com o pernil? Sabotaram-nos. E posso dizer o país, Portugal. Estava pronto porque nós compramos todo o pernil que havia na Venezuela. Compramos todo. Mas tínhamos de importar e assim dei a ordem e assinei os pagamentos. Mas perseguiram as contas bancárias”, disse Nicolás Maduro, citado pelo jornal venezuelano. O sucessor de Hugo Chávez disse ainda que: “perseguiram-nos dois barcos gigantes que vinham e nos sabotaram”

Aos jornais portugueses, o ministro português dos Negócios Estrangeiros disse ainda que ia questionar a “nossa embaixada na Venezuela” para perceber “o que é que se passa”. “Evidentemente, não há aqui nenhuma interferência política porque o governo português não interfere no pernil de porco”, reiterou.

Quando questionado se pretende chamar ao ministério o embaixador da Venezuela em Lisboa, Santos Silva disse que: “sou um cientista profissional”. “Primeiro vamos apurar os fatos e depois tiraremos as conclusões”.