Goiás foi o motor da economia brasileira em 2017

Indústria goiana ficou em primeiro lugar, safra de grãos cresceu acima da média brasileira, e Estado ficou em segundo lugar na geração de empregos

28 de fevereiro de 2018

A força da economia goiana foi destaque no Brasil em 2017. Em um cenário nacional de recuperação do crescimento industrial e da economia como um todo, Goiás, mais uma vez, conseguiu se sobressair aos demais estados e crescer acima da média nacional, como vinha fazendo desde 2015. Com o crescimento da indústria, retomada de investimentos e geração de empregos, Goiás contribuiu decisivamente para a retomada da atividade econômica do País.

Em 2017, a indústria goiana cresceu 3,6%, enquanto a média nacional foi de 2,5%. A indústria goiana também ficou em primeiro lugar em avaliação feita pelo IBGE no período de novembro de 2016 a novembro de 2017, com crescimento de 17%.

O IBGE constatou que o crescimento da indústria em Goiás foi impulsionado principalmente pelos setores de produtos alimentícios (açúcar cristal, leite esterilizado/UHT/Longa Vida, óleo de soja refinado, leite em pó e carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (álcool etílico e biodiesel), e veículos automotores, reboques e carrocerias (automóveis).  Nesse contexto, a safra de grãos no Estado avançou 39,6%, ultrapassando muito a do Brasil, que foi de 21,8%.

Goiás também se destacou pela captação de investimentos.  Somente no mês de dezembro do ano passado, o governador Marconi Perillo assinou protocolo de intenções com representantes de 22 empresas que vão se instalar em Goiás ao longo de 2018. Juntas, elas investirão R$ 800 milhões no Estado, e gerarão nove mil novas vagas de emprego.

A geração de empregos é, também, uma das áreas que o Estado mais se sobressaiu, com a criação de 25.370 novas vagas de trabalho com carteira assinada, em 2017, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Ceged), do Ministério do Trabalho. Goiás foi o segundo estado brasileiro que mais gerou empregos no ano passado. O crescimento do mercado formal de empregos este ano, em Goiás foi puxado pelo setor de serviços, que apresentou o maior saldo positivo com a oferta de 10.828 novas vagas de trabalho. A indústria da transformação também está na liderança da engrenagem da máquina geradora de empregos, seguida pela agropecuária.  Enquanto Goiás criou empregos, no Brasil houve um fechamento de 20.832 vagas de trabalho.

 Impulso – A propulsão da economia goiana impulsionou a retomada da atividade econômica do Brasil. Goiás foi um dos primeiros estados a se sobressair à crise, graças ao ajuste fiscal que começou a ser realizado pelo governador Marconi ainda em 2014. Mesmo em meio à recessão econômica, o governo estadual manteve suas obrigações fiscais administrativas em dia, dentre elas a folha de pagamento dos servidores.