Ponto de Cultura Cidade Livre, de Aparecida de Goiânia, é um dos 10 selecionados brasileiros e o único representante goiano no 3ª Congresso Latino Americano de Cultura Comunitária.

7 de novembro de 2017

Ponto de Cultura Cidade Livre, de Aparecida de Goiânia, foi um dos 52 agentes de cultura ibero-americanos, da Rede Cultura Viva,selecionados para representar o Brasil no 3º Congresso Latino Americano de Cultura Viva Comunitária, que acontecerá em Quito no Equador entre os dias 20 a 25 de Novembro.

O evento é organizado pela Rede de Cultura Viva Comunitária Equador. O programa IberCultura Viva distribuiu um total de US$ 45 mil em passagens aéreas para os representantes selecionados. As pessoas selecionadas receberão a passagem de ida e volta, o seguro de viagem e a taxa de inscrição ao congresso.

O processo de seleção das delegações de cada país ocorreu por meio do Edital de Mobilidade IberCultura Viva. Ao todo foram 245 inscrições, de países da América onde predominam as línguas portuguesa e espanhola. Deste total, foram selecionadas 10 pessoas da Argentina, 10 do Chile, 10 do Brasil, 6 de Costa rica, 6 do Uruguai, 4 de El Salvador, 4 do Peru e 2 da Espanha.

Os critérios de seleção foram a experiência em ações culturais comunitárias e o histórico de participação em processos de articulação de redes em âmbito nacional e/ou internacional.

Arte que ecoa a comunidade

Para a fundadora e presidenta da Associação Sociocultural Cidade Livre/Ponto de Cultura Cidade Livre, Takaiuna Correia, participar do encontro latino-americano, cujo tema central é o fazer artístico comunitário, vem em consonância com a realidade em que o Ponto de Cultura está inserido. “As montagens com as turmas de iniciação teatral partiram exatamente desse lugar: o de dar voz às crianças e adolescentes, para que eles falassem da sua vida, de sua família, da realidade do bairro, da igreja, da escola, enfim, da sua forma de ver, se relacionar e estar em comunidade. Assim, eles se tornam intérpretes e coautores de uma arte que fala deles mesmos e que é construída em comunidade”, conclui.

Redes culturais amplas e complexas

Outra característica do Ponto de Cultura Cidade Livre é a de buscar a articulação de ações e trabalhos com outros agentes culturais locais, regionais e nacionais, quais sejam: coletivos, grupos, instituições e agentes comunitários. Segundo Pablo Lopes, gestor cultural do Teatro de bolso Cidade Livre, com essa seleção do Ponto para o 3º Congresso Latino Americano de Cultura Viva Comunitária, abre-se mais uma conexão para nossos projetos. “Agora, a gente passa a contribuir e ser referência não apenas nas redes que tecemos ao longo da nossa história. Agora faremos parte de uma rede de agentes culturais latino-americanos que nos permitirá compartilhar conhecimentos e realizar trocas vitais para o tipo de projeto que idealizamos, que trata não somente do fazer artístico, mas da interferência desse fazer na vida das pessoas que vivem em comunidade, aplacando diferenças econômicas e sociais e gerando qualidade de vida”, esclarece Pablo.

Ser comunitário global

O Movimento de Cultura Viva Comunitária vem se consolidado como referência para organizações sociais, culturais e políticas através de iniciativas continentais entre atores e grupos culturais que promovem o bem comum de diversas práticas, coletivas e articuladas em diferentes territórios e comunidades, principalmente na América Latina.

A partir de 2013, com a articulação entre 17 países e mais de um milhão de experiências culturais, surge o Congresso Latinoamericano de Cultura Viva Comunitária, que acontece a cada dois anos (1º Congresso CVC La Paz-Bolívia, 2013 e 2º Congresso CVC San Salvador, El Salvador, 2015).

Com o tema Ser Comunitário o 3º Congresso Latino Americano de Cultura Viva Comunitária nasceu com a proposta de gerar um espaço de troca e articulação entre experiências e redes de cultura comunitária viva em todo o continente, incentivar áreas para recuperação e fortalecimento de iniciativas legislativas e políticas públicas estatais em relação ao apoio de experiências culturais comunitárias, recuperar e fortalecer coletivamente o substrato simbólico, espiritual místico, estético, ancestral e político dos valores da cultura comunitária viva.

No 3º Congresso Latino Americano de Cultura Viva Comunitária duas comunicações orais e uma exposição fotográfica sobre o Ponto de Cultura Cidade Livre serão apresentadas e compartilhadas. A primeira comunicação trata do ensino de arte e cultura na instituição e a segunda sobre a sustentabilidade do Teatro de bolso Cidade Livre, sede das ações do Ponto de Cultura. A exposição será com acervo dos 13 anos do grupo.