Quebra de Contrato: Tentando resgatar um coração magoado

12 de outubro de 2018
Kito Mello
por

Presidente da ASBI - ASSOCIAÇÃO SIONISTA BRASIL- ISRAEL. Professor, autor-roteirista, escritor, pesquisador e ghost writer.

Elias, o filho único de Jacob, é apresentado a Judith. Eles namoram dentro das regras ortodoxas e, alguns meses depois, decidem marcar a data do casamento.

Jacob, por sua vez é enviado para o Iraque, à fim de investigar a relação comercial do país com a França, pois, existem fortes indícios de que engenheiros franceses estão fornecendo aos iraquianos, reatores nucleares e “assistência técnica”.

Após dois meses, as suspeitas se confirmam e Jacob envia um relatório para a Força Aérea Israelense, que começa a traçar um plano para destruir a construção, antes que os iraquianos consigam enriquecer o urânio.

— Um simples bombardeio pode matar um grande número de engenheiros franceses que trabalham no local, e isso não será nada bom. — diz Jacob.

Depois de muitos estudos e investigações, oito aviões F-16 escoltados por seis F- 15 decolam de Israel, voando a 20 metros do solo jordaniano, para que os radares não os localizem. Na hora exata, quando todos os engenheiros já tinham ido embora, eles chegam ao alvo e o reator é reduzido à poeira. O sonho de Saddam Hussein de tornar seu país uma potência nuclear vai pelos ares.

Depois dessa missão, Jacob é nomeado Diretor do Departamento de Pesquisa do MOSSAD, sendo responsável por toda a América Latina. Alguns meses depois, ele volta a Buenos Aires disposto a resgatar o amor da família. Para isso, decide escrever uma carta, sugerindo a própria aposentadoria, alegando querer dar mais atenção a Mirta e ao filho Elias.

Os meses passam sem que ele obtenha qualquer resposta. Também não é convocado para atuar externamente. Nesse período, ele e Mirta se reaproximam, afinal de contas, ela trabalha como secretária do embaixador, portanto, é natural que saiam juntos para o trabalho, que almocem no mesmo horário, e voltem para casa, fazendo companhia um ao outro.

Num desses dias, Mirta revela que o filho está de casamento marcado com Judith. Jacob surpreende-se, mas sabe que não pode cobrar nada de ninguém. Então anima-se com a possibilidade de reaproximar-se do filho. Ao chegarem em casa, quando ainda conversam sobre o casamento de Elias, a campainha toca, interrompendo-os. Mirta abre a porta e depara-se com Elias, que a beija com carinho e adentra o apartamento. Jacob aproxima-se estendendo a mão para ele. Elias muda completamente o semblante e fica constrangido.

— Sua mãe me contou, Elias. Estou feliz com a novidade.

— Sobre o que você está falando, papai?

— Ora, do seu casamento. Quero que você me ajude a comprar um terno novo e também…

Elias o interrompe.

— Tanto faz como você vai vestido, papai. Já me acostumei tanto com o meu avô te representando, que…

— Que seria bom que você comparecesse. — completa Mirta, interrompendo a provocação de Elias.

O clima fica um pouco tenso, com ambos desconcertados e sem saber como continuar a conversa. Mas Elias não se intimida com o gesto de Mirta e deixa o rancor brotar do seu peito.

— Por que você quer ir ao meu casamento? O que você sabe sobre mim, papai?

Jacob enche os olhos de d’água.

— Você não me viu crescer e, em quase todos os meus aniversários, sempre esteve ausente. Nem mesmo no meu bar-mitzvá você compareceu para me entregar a Torá.

— Você sabe que eu não quero mais saber de religião. — responde Jacob.

Mirta pensa em intervir, mas sabe que Elias precisa desabafar. Naturalmente que a relação entre eles é fria. Elias ama o pai com a mesma intensidade com que o odeia.

— Eu cresci ouvindo meus amigos falarem de você como um herói, mas nunca pude apresentá-lo, nunca você se dispôs a passear comigo de mãos dadas. Havia, até mesmo, os que duvidavam que você fosse meu pai.

— Eu sei que errei Elias. Não vou me justificar ou arrumar desculpas para me defender, mas eu te amo, filho. Talvez, eu seja incapaz de me doar totalmente. Não é nada consciente, é que eu simplesmente não consigo…

— Então por que se casou com a minha mãe? Por que quis ter outra família se sabia que não seria capaz de amá-la e se dedicar a ela? Você destruiu a vida da minha mãe.

_ Não é verdade!

_ Todos esses anos, ela espera pela sua companhia, sofre com suas missões arriscadas. Está sempre rezando pela sua vida, mas você parece que não liga para nada disso.

Mirta vai para a cozinha chorar.

— Talvez, eu não aceite ter sobrevivido depois que vi meus pais serem assassinados. Talvez, não me considere digno de respirar, quando minha esposa e meus filhos morreram asfixiados. Talvez, eu arrisque a minha vida, quase implorando que o inimigo a tire de mim. Sinto-me responsável pela morte do meu irmão e de tantas outras pessoas. — diz Jacob, chorando.

Mirta grita da cozinha.

— Não o pressione Elias. Respeite-o, ele ainda é seu pai e não tem mais idade para reviver essas fortes emoções.

— Eu o respeito, papai. Mas se você ainda é forte para suportar toda a carga de adrenalina que as suas missões descarregam em seu corpo, é forte também para ouvir o que eu trago engasgado todos esses anos. — desabafa Elias.

Mirta volta para a sala.
— Chega Elias! — ela pede, chorando.

— Me desculpe por tudo, filho. — diz Jacob.

Elias não responde. Beija Mirta com carinho e sai sem se despedir de Jacob.

Muita coisa precisa ser feita até que Jacob reconstrua a relação com a esposa e o filho, e ele sabe que não tem qualquer garantia que isso prospere. “Ir ao casamento talvez seja o primeiro passo, mas talvez, manter-me afastado seja melhor para todos.” — ele pensa.

Profissionalmente, tudo vai bem para Jacob. Na Embaixada de Israel, ele assume a função de consultor para assuntos estratégicos de defesa e, para sua surpresa, a carta enviada para o MOSSAD retorna com uma resposta. Os diretores decidem em reunião, que é hora de recrutarem novos agentes, demonstrando com isso, que a Instituição começa a pensar na sua aposentadoria. “Está na hora de dar a vez aos mais novos”. — ele pensa.

Assim que a notícia vaza, as máquinas de fax do escritório em Israel passam a trabalhar 24 horas por dia, recebendo currículos de pessoas que têm como sonho trabalhar na MOSSAD. Contudo, somente três candidatos são aprovados nesta seleção: Um brasileiro, recomendado pelo agente David Schreiber, radicado em Cuzco, no Perú; um jordaniano, indicado pelo próprio Jacob; e uma alemã, indicada por Nahum Admoni, o diretor geral do MOSSAD neste período.

O tempo passa e Jacob, apesar de tentar se reaproximar de Elias, encontra apenas rejeição. Não existe um elo entre os dois. Os anos de afastamento, aliado às influências do avô materno criaram uma enorme barreira entre os dois. No casamento, Jacob foi tratado como um estranho, apesar de estar ao lado de Mirta.

Todavia, com o nascimento do neto que ele pouco acompanhou, ressurgem novas perspectivas que começam a mudar sua vida. Seu tempo livre passa a ser dedicado ao pequeno Adria, que, diga-se de passagem, guarda muitas semelhanças físicas com Haim e Tzvi, o irmão mais velho de Jacob e seu filho caçula, antes de serem assassinados pelos nazistas.

Por causa de Adria, Jacob recusa ausentar-se de Buenos Aires e passa a trabalhar prestando consultoria. Depois, próximo de completar sessenta anos; sua resistência física já não é mais a mesma. Está na hora de descansar, de aproveitar mais a vida ao lado do neto, de dar e receber amor e de dedicar-se mais a Mirta, a quem ele tem um enorme débito a saldar.

Mesmo enfrentando a má vontade de Elias, Jacob visita a criança quase todos os dias. Judith, a nora, apesar de não querer contrariar o marido, ajuda-o muitas vezes, contemporizando as pequenas discussões que ambos travam. Mirta faz pressão para que Elias não seja tão ranzinza com o pai. E Jacob faz de tudo para recuperar a imagem de pai ausente, tornando-se um avô presente. Até mesmo na cerimônia da circuncisão de Adria ele comparece e aceita ser o *“sandak”, mas justifica-se para os familiares:

— Só aceitei porque a cerimônia é aqui, na casa do Elias. Se fosse realizada na sinagoga, eu não iria. — diz com convicção.

Até Adria completar sete anos, somente com muito esforço é que Jacob consegue levá-lo para passear. Mirta sempre intercede em seu favor. Juntos, sempre aos sábados e domingos pela manhã, eles levam o pequeno Adria ao zoológico, ao Jardim Japonês — o passeio preferido de Adria —, ao cinema, aos bosques de Palermo, ao elegante e sofisticado bairro da Recoleta com suas ruas arborizadas, aos belíssimos restaurantes, antiquários e museus, onde almoçam e degustam o saboroso café servido na casa Tortoni.

Sua preocupação maior é oferecer ao neto, o gosto pela cultura, fazê-lo pensar livremente, sem dogmas ou proibições rabínicas, uma vez que Elias o massifica com o estudo religioso.

*SANDAK – É um título derivado do grego, significa ―padrinho‖. É a pessoa que recebe a honra de segurar a criança que receberá a circuncisão.