Racismo: até quando?

4 de julho de 2018
Gisele M. Machado
por

Coach de Relacionamento e Palestrante Motivacional

Qual é a sua cor? Negro? Branco? Pardo? Mulato?… que diferença isso faz? No que uma cor de pele pode ser melhor que a outra? Em que essa pigmentação pode influenciar? Onde está a comprovação científica de que o tom de pele pode influenciar na inteligência, no caráter e na personalidade do ser humano? O que realmente difere o ser humano uns dos outros é sem dúvida o caráter e não a cor de pele.

Chega a ser engraçado, para não dizer trágico, que alguns seres, que se dizem pensantes, terem a idiota ideia de que são melhores que outros, simplesmente por serem de cútis branca, kkkk. A pessoa tem que ser muito sem noção por pensar assim. Quando o ser humano se classifica como ser racional, tenho verdadeiramente minhas dúvidas. Em especial por essa triste parte da nossa história, onde homens “brancos” escravizaram homens negros, e sempre pergunto, porquê? Em que um é melhor que o outro? Porém, o que mais me entristece, é que isso vem se perpetuando até hoje, em pleno século 21. É inacreditável que com tanta tecnologia, com tantos avanços, alguns homens ainda continuam acreditando que são melhores que outros em função da cor.

A discriminação de raça, credo, sexual, social, enfim, seja ela qual for, tem que ser banida do planeta terra, nada pode machucar mais o ser humano na alma do que isso. Ela deixa marcas profundas para quem é vítima desta estupidez. Quando é que alguns, que se dizem “pensantes” vão entender que essas diferenças não diferem, não diminuem, nem elevam ninguém? Toda criatura é um ser deste universo e deve ser respeitada como tal. Ninguém é melhor que ninguém. A capacidade não se mede por esses quesitos.

Precisamos urgentemente mudar essa concepção. Devemos ensinar já no berço nossos filhos que, apesar das diferenças, somos todos iguais e devemos ser respeitados por isso. Essa educação deve começar em casa. Temos que investir numa educação de base, a cultura de um país digno, é feita com qualidade e responsabilidade. Temos que banir do planeta terra, toda e qualquer forma de discriminação. Temos que ENSINAR nossos filhos a acolher com empatia e amor tudo que é diferente. Eles têm que entender que o homem não é melhor que a mulher, e vice-versa, o branco não é melhor que o negro, o heterossexual não é melhor que o homossexual, enfim, ninguém é melhor que ninguém. Só teremos um mundo melhor, um mundo digno de se viver, quando todos entenderem isso. E não é difícil aceitar essas diferenças, basta apenas boa vontade e verdadeiro amor por parte de todos. A existência humana será mais leve o dia em que todos assumirem essa postura. E VIVA AS DIFERENÇAS.