O puxadinho de Bolsonaro em Angra dos Reis

12 de Janeiro de 2018
bolsonaro

Esta semana, a imprensa brasileira divulgou, em tom sensacionalista, o patrimônio da família Bolsonaro.

Primeiramente, a Folha de São Paulo – já conhecida por sua linha editorial e descompromisso absoluto com a verdade dos fatos – trouxe aos seus leitores uma matéria que beiraria o desespero. Nela, deram a entender que os quatro políticos da família (Jair, Carlos, Flávio e Eduardo Bolsonaro) tornaram-se siameses-univitelinos e detentores de uma singular personalidade física ou jurídica.

Todos colocados no mesmo corpo e donos de um único e indissociável patrimônio: como se não fossem pessoas físicas autônomas e encarregados de suas próprias vidas financeiras. O “enorme e suspeito “ patrimônio em conjunto, segundo apurou o referido jornal, passaria de R$ 15 milhões.

A fachada da casa de Bolsonaro em um distrito humilde de Angra dos Reis

A matéria foi descarada, no sentido de duvidar da licitude da aquisição dos imóveis pelos xifópagos-univitelinos – consagrados uma só pessoa por força da mentira midiática. Do que se pôde observar, além da rotineira má-fé, é que nada estava em desacordo com a lei ou que pudesse gerar suspeita sobre um suposto enriquecimento ilícito de qualquer um dos envolvidos na matéria jornalística, pois os imóveis citados foram rigorosamente declarados junto ao fisco e adquiridos com renda compatível.

Ora! Todos sabemos que a atividade política no Brasil – assim como outras atividades laborais do setor público, como a Magistratura e o Ministério Público, que ostentam excelentes salários – é altamente rentável ou seja, proporciona ótima remuneração, esta, apta a justificar a licitude do patrimônio pessoal de cada um dos políticos em tela.

A Folha, ainda, deixou de mencionar que o Brasil passou por uma forte valorização imobiliária entre o período em que os imóveis foram adquiridos e a atualidade. Perguntem a qualquer dono de imóvel qual o valor pago há 10, 20, 30 anos e o atual valor de mercado. O resultado será o mesmo encontrado nos números apresentados pela rainha da notícia tendenciosa nacional, a Folha de São Paulo. Segundo ela: “o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e seus três filhos que exercem mandato são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões, a maioria em pontos altamente valorizados do Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca.”.

E não foi só o folhetim paulista que resolveu apelar para seus métodos trotski-stalinistas, para assassinar a reputação dos seus desafetos políticos! A revista Veja, por exemplo, veiculou uma matéria informando acerca de uma “mansão de Jair Bolsonaro em Angra dos Reis”, conhecido paraíso de nove em cada dez milionários brasileiros e estrelas globais.

A casa, apesar de ser em Angra, está longe dos padrões arquitetônicos do arquipélago

Ela somente se esqueceu de informar que o “suntuoso” imóvel não fica no município de Angra dos Reis, mas em um de seus distritos. Este, localizado em uma periferia nitidamente humilde chamada “Vila Histórica de Mambucaba”, que fica a 50 quilômetros do sofisticado balneário do Estado do Rio de Janeiro.

A casa foi mostrada em um vídeo pelo próprio Jair Bolsonaro, que, pessoalmente, fez questão de expor seu “nababesco” patrimônio: uma casa modesta, construída em um local sem luxo algum e onde notamos um certo improviso na construção. Algo que nos lembra até mesmo inúmeras casas Brasil afora com seus conhecidos “puxadinhos” e sua despojada arquitetura. Eis a mansão do presidenciável Bolsonaro, o homem que a imprensa tenta de todas as formas enlodar e jogar no balaio dos corruptos e aproveitadores da República.

Em invés de piscina, área de recreação e opulentos aposentos, o que podemos conferir pelas imagens da “mansão” é uma simplicidade absoluta; uma casa praiana sem pompa alguma ou quaisquer acabamentos que fizessem lembrar as requintadas vivendas dos figurões da República e dos endinheirados brasileiros.

Chega a causar espécie a desfaçatez com que a mídia nacional tenta manchar o prestígio popular de Jair Bolsonaro e sua família. Tentam, de forma alucinada, criar factoides e distorcer episódios banais, com o nítido objetivo de transformar o presidenciável Bolsonaro em um Lula, Sarney, ou Maluf da vida. Tentam, de forma encarniçada, vender a imagem de um homem corrupto e que representaria “mais do mesmo”. Tentam fazer crer que Bolsonaro-pai é um político oriundo da mesma pocilga dos velhos e conhecidos políticos apoiados pela imprensa nacional.

No início, sem muito sucesso, ensaiaram macular-lhe a sua dignidade e reputação, impingindo a ele adjetivos como “homofóbico, racista, nazista, fascista, sexista, machista” e demais corriqueiros rótulos destinados a quem ouse enfrentar a máfia do estamento burocrático tupiniquim – a mesma que concedeu, no desastre da era lulo-dilmista, mais de R$ 220 milhões para que o grupo empresarial da Folha de São Paulo pudesse continuar a fazer aquilo que faz de melhor e com maior destreza: ludibriar o povo e a inteligência do brasileiro.

Pena que a Folha de São Paulo e a revista Veja não tenham interesse em visitar as verdadeiras mansões compradas por um certo torneiro mecânico aposentado e por sua pouco instruída prole. Poderiam justificar pelo menos o porquê de o condenado petista do ABC Paulista apenas em uma conta bancária possui quase a mesma quantia de todo o patrimônio dos Bolsonaro ao longo de décadas .

Revista Veja fala sobre Mansão do Deputado Federal

Deveriam divulgar que o sortudo e rico clã petista foi agraciado com as bênçãos divinas e ganhou na loteria repetidas vezes. Seria mais crível e “honesto” do que acusar pessoas probas e absolutamente diferentes do lixo moral que infesta o país. Eis que o medo de que o Brasil possa sofrer uma mudança toma conta daqueles que nos jogaram nesta situação lastimável: a imprensa e seus bandidos de estimação.

Denunciar ilícitos dos agentes públicos é preciso, desejável, mas difamar e caluniar, não! A linha que separa o jornalismo brasileiro da máquina propagandista socialista é, hoje, inexistente no Brasil. Eles sim se tornaram xifópagos-univitelinos e não conseguem respirar sem a ajuda (e corpo) do outro.