Menos Marx, Mais sapatos

8 de maio de 2018
Alano Queiroz
por

Ortopedista.

Neste último sábado, dia de 05 de maio, foi o aniversário de 200 anos de Marx. Maior filósofo e sociólogo para a esquerda, ele apostava que o capitalismo acentuaria a pobreza do mundo. E como maior parte da esquerda, ele estava errado.

Qualquer um que estuda história sem tomar lados ideológicos sabe que a revolução industrial salvou a humanidade, permitindo a inovação e a produção em massa.

Graças ao capitalismo vivemos mais e melhor. Graças ao capitalismo temos sapatos de salto alto em abundância. Antes da revolução industrial, monarcas e aristocratas eram os únicos que usavam sapatos de salto alto. Foi um símbolo de status, devido à dificuldade de produção. Pouco artesão tinham técnicas para produzir tal bem. Além do mais, esses sapatos não tinham qualquer utilidade para população comum da Europa, especialmente devido às ruas esburacadas e enlameadas do século 17.

Essa pouca funcionalidade reforçava mais o status daqueles que podiam usar tais sapatos. Os monarcas e aristocratas não precisam caminhar longas distâncias, diferente dos pobres que representavam mais de 90% da população.

Hoje, 200 anos depois, graças o capitalismo, a pobreza representa somente 10% da população mundial, de acordo com relatórios do Banco Mundial. E as pessoas não tem acesso somente a sapatos de salto alto. Tem acesso, em grande parte, a TV, celulares, internet, fogão, geladeira, e outros produtos básicos.

Parabéns ao capitalismo.

E parabéns, Marx, por ser um fracassado.