GP da Itália de 1988: A vitória improvável da Ferrari em homenagem ao Comendador

10 de setembro de 2018
Junior Cardoso
por

Junior Cardoso tem 23 anos, é profissional da área gráfica e apaixonado por automobilismo. Desde 2016 é editor da página Falando de Motor no Facebook, a qual destina suas energias nas horas vagas.

Monza é, sem dúvidas, uma das pistas mais especiais da F1. O traçado italiano, recebe a categoria desde 1950 e sempre houveram corridas históricas, que permanecem na memória dos torcedores. Uma dessas corridas, é o GP da Itália de 1988, quando houve uma dobradinha da Ferrari em um ano difícil para a escuderia de Maranello.

O ano de 1988 foi péssimo para a Ferrari, esportivamente e pessoalmente. A equipe não tinha um carro vencedor, comparado ao MP4/4 da Mclaren e menos de um mês antes, o fundador da equipe e da fabricante, Enzo Ferrari veio a falecer. O GP da Itália foi realizado apenas três semanas após a morte do Comendador, sendo uma corrida difícil para a escuderia e os torcedores.

Em uma temporada de domínio da Mclaren-Honda, uma vitória dos italianos era praticamente impossível, visto que os britânicos haviam vencido as onze corridas anteriores. E não era pra menos, já que a Mclaren tomou a primeira fila na classificação, com Senna em primeiro e Prost em Segundo.

Era improvável uma vitória da Ferrari

Como era o primeiro ano de Senna na Mclaren, de fato era a primeira chance real de o brasileiro lutar por um título mundial e ele já havia se manifestado sobre esse desejo à Ron Dennis. Então, o ambiente entre Senna e Prost, parecia mais como uma guerra civil.

Na largada as duas Mclaren que já tinham a liderança, pularam na frente e só tinham que disputar uma com a outra, como se estivessem em outra categoria. Prost tomou a liderança de Senna, mas pouco depois o brasileiro pegou de volta. Só que em uma corrida que parecia ser fácil para a equipe de Woking, as coisas começariam a dar errado. Prost começou a sentir perda de potência, perdeu sua posição para as Ferrari e na volta 34 abandonou, deixando Senna na pista.

Com o abandono de Prost, saldo seria ainda mais positivo para Ayrton, que abriria uma certa vantagem no campeonato. Mas como diz um certo ditado> ‘’para ganhar você precisa chegar’’, e isso não aconteceu com Senna. O brasileiro já havia reduzido a velocidade para evitar que ocorresse uma falha mecânica semelhante a que afetou Prost e Gerhard Berger, junto com Michele Alboreto já estavam reduzindo a vantagem ganha por Senna, porém, o pior estava para acontecer.

Faltando duas voltas pro Final, Senna encontrou com o retardatário Jean Louis Schlesser que estava substituindo Martin Brundle na Williams. Na tentativa de ultrapassagem, Senna forçou em uma chincane e Schlesser até abriu caminho, mas na segunda perna da chicane acertou a roda traseira do brasileiro, fazendo com que a suspensão fosse danificada. Senna abandonou ali mesmo.

Senna bate faltando duas voltas

Com o incidente, a vitória caiu no colo de Gerhard Berger

Com o incidente, o que tinha tudo para ser uma prova dominante da Mclaren, terminou em festa para os tifosi, que viram a sua equipe vencer com dobradinha de Berger e Alboreto.

No final da corrida, Ayrton Senna disse: “Acho que alguém, lá em cima, não queria que eu vencesse hoje”. De fato pareceu mesmo, já que os dois melhores carros do grid ficaram pelo caminho.