Benetton F1: histórias que precisam ser contadas

9 de Abril de 2018
Junior Cardoso
por

Junior Cardoso tem 23 anos, é profissional da área gráfica e apaixonado por automobilismo. Desde 2016 é editor da página Falando de Motor no Facebook, a qual destina suas energias nas horas vagas.

Histórias Benneton

Entre as equipes de maiores destaques dá F1, está a Benetton. Competiu na Fórmula 1 entre as temporadas de 1986 a 2001, conquistando dois campeonatos de pilotos – 1994 e 1995 – com Michael Schumacher e um de construtores, em 1995.

A história da equipe Benetton começou com o patrocínio da equipe Tyrrell em 1983 e da Alfa Romeo em 1984. No inverno europeu de 1985 para 1986, adquire por inteiro a Toleman, iniciando uma nova equipe.

No ano de estreia, o motor para a temporada seria o BMW Turbo, pneus Pirelli, Gerhard Berger e Teo Fabi como pilotos. No mesmo ano Berger consegue a primeira vitória do time no GP do México. A equipe termina o campeonato de construtores em 6° entre 10 equipes.

No ano de 1988, os motores passam a ser os Ford Cosworth V8 aspirado e em 89 Alessandro Nannini vence seu primeiro GP colocando a equipe em 4° lugar no mundial de construtores.

Michael Schumacher
Michael Schumacher com o Benetton B195 no GP de Mônaco em 1995.

Nelson Piquet é escalado para pilotar ao lado de Nannini em 1990. Quando Alessandro sofre um acidente, o brasileiro Roberto Pupo Moreno assume seu cockpit e permanece até o GP da Itália de 1992 e é substituído por Michael Schumacher.

Schumi dividiu a equipe com Riccardo Patrese em 1993, levando a mesma ao 3º posto no campeonato de construtores. Em 1994 Jos Verstappen – Pai de Max Verstappen – substitui Patrese que havia anunciado sua aposentadoria.

1994 foi o ano em que Michael Schumacher vence seu primeiro campeonato mas a equipe não obtêm o mesmo resultado, ficando na 2º posição no mundial de construtores. Nesse ano Jyrki Järvilehto e Johnny Herbert também pilotam pela equipe.

Já em 1995 a Benetton acerta com a fornecedora de motores Renault e mantendo a dupla Hebert e Schumacher obtêm o seu primeiro e único título de construtores. Schumi é bicampeão.

Em 1996 Michael vai para a Ferrari e Gerhard Berger junto com Jean Alesi assumem os cockpits da Benetton. A dupla permaneceu em 96 e 97. No último ano Berger conquista sua última vitória e da equipe no GP da Alemanha.

Nelson Piquet Benneton
Nelson Piquet com o Benetton que te deu a sua última vitória na F1

Os outros anos foram de decadência comparado aos resultados anteriores. Com os motores Playlife (motores Renault de classe B), até que em 2000 a Renault anuncia a compra da equipe e assume o seu lugar em 2002.

A Benetton deixou a F1 em 17 anos, marcando 15 poles, 27 vitórias, 36 voltas mais rápidas, 102 pódios e 851 pontos em 260 grandes prêmios disputados.