Assassinato de Mariele x tentativa de homicídio de Bolsonaro

11 de setembro de 2018
Félix Soibelman
por

Presidente da ASBI - ASSOCIAÇÃO SIONISTA BRASIL-ISRAEL. Advogado, editor e atualizador da Enciclopédia Jurídica Soibelman. Primeira obra eletrônica a ter a imunidade tributária reconhecida pelo STF.

Dois pesos e duas medidas de uma esquerda hipócrita, que usou o cadáver da moça como carniça política, mas quer o contrário contra Bolsonaro.

Depois de dois anos sendo sua corrupção e incompetência desmascarada pela Lava a Jato, como antes fora pelo Mensalão, a esquerda celebrou o cadáver de Mariele como oportunidade para novamente subir ao pódio da virtude como se pudesse apagar tudo o que descobriu posando de “defensora dos frascos e comprimidos”e não de um projeto totalitário de poder.

O cadáver da moça foi assim usado para trazer militantes envergonhados de volta às ruas, e, como uma religião, reinventar-se sob as vestes de um partido como o PSOL, que quer tomar para si a condição de “esquerda culta”, pretendendo suas nulidades intelectuais se alçarem à condição de estrelas – o que nunca conseguirão , de verdade, ser. Uma reinvenção religiosa, sendo a esquerda, de fato, uma religião.

Logo, o cadáver de Mariele foi carregado nas ruas como uma carniça política, substituindo o pão com mortadela que pagam para encherem suas passeatas, levando assim as pessoas de volta para as avenidas.

Não obstante, mostrando sua plena hipocrisia, sua falácia do duplo critério, os famosos dois pesos e duas medidas, diante da  tentativa de assassinato de Bolsonaro passam a dizer que “é só show”, que é mentira, e a criticar, antecipadamente, o uso político do atentado. Imagine se Bolsonaro estivesse dizendo isto que digo aqui, na época da morte de Mariele, ou seja, que estavam usando o cadáver da vítima. Seria massacrado pelo politicamente correto mais hipócrita.

Enfim, mais do mesmo que se espera dessa turma.