Alienação Parental: quando os alienadores se fazem de vítimas

4 de novembro de 2018
Fabio Freitas
por

Um pai alienado que briga pra poder conviver com seu filho.

Caros leitores do Hora Extra, bom dia!

– Dando continuidade a esse assunto abordo um ponto que vem sendo notícia há alguns meses, e que é bastante preocupante para nós, os alienados.

– Uma parcela de alienadoras se movimentaram (e conseguiram) levar adiante o pedido para o fim da lei da alienação parental, sobre a argumentação que essa lei está privilegiando possíveis abusadores e que também não existe argumentação científica e psicológica para existir!!! Em junho a OMS admitiu que a alienação parental é uma doença, conforme link abaixo.

http://www.ibdfam.org.br/noticias/6717/OMS+reconhece+a+exist%C3%AAncia+do+termo+Aliena%C3%A7%C3%A3o+Parental+e+o+registra+no+CID-11

Entendam o absurdo:

– No dia 08-04 o Fantástico prestou mais um desserviço ao apresentar uma matéria pobre em conteúdo e tendenciosa sobre alienação parental (http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2018/04/pai-abusador-usa-lei-de-alienacao-parental-para-tomar-guarda-de-filho.html).

O título já é questionável: está provado que o pai é abusador ? Porque não foi entrevistado para se defender? Que tal um título “Mãe alienadora e mentirosa usa Lei Maria da Penha para inventar falsa acusação contra o pai e manter a guarda do filho”?

– Ao invés de mostrar os riscos e problemas que a alienação causa a reportagem mostrou um “aglomerado” de 74 (vejam bem 74…) “mães” que alegaram perder a guarda do filho após acusarem os pais de “abuso sexual” (diga-se de passagem uma das maiores mentiras usadas). Quem viu a matéria e não tem discernimento nem realidade do dia a dia das varas de família teve a percepção de que basta uma acusação infundada que a justiça automaticamente determina a inversão da guarda. Mas quem conhece a realidade sabe que esse processo é lento, cansativo e desgastante pois envolve psicólogos, assistentes sociais, laudos, entrevistas, audiências e lá se vão entre 2 e 3 anos de verdadeiras batalhas com uma tonelada de mentiras do alienador contra o alienado. E em algumas vezes a denúncia falsa do alienador acaba vencendo, com o mesmo mantendo a guarda quando na verdade deveria ser punido de forma exemplar para que não se perpetuem nem incentivem falsas denúncias.

Portanto, os muitos alienados, nessa reportagem específica, acabam parecendo os “vilões” por estarem usando uma das (poucas) armas a seu favor, enquanto as alienadoras posam de “vítimas” de uma lei que visa garantir a convivência igualitária entre pais e mães. O Fantástico não se deu ao trabalho de ouvir o outro lado. Onde fica a imparcialidade jornalística?

E no final da reportagem uma dessas “pobres vítimas” diz que foge com os filhos para que o pai não os veja. Onde está a justiça que deveria ser firme contra uma pessoa que faz isso declaradamente? Agora imaginem a versão contrária. Se um pai some com o filho o que acham que aconteceria? “cadeia nele”, “vagabundo”, “que absurdo tirar os filhos de uma mãe”, “machista”, “canalha”, e por aí vai

– Que fique claro que nenhuma pessoa de caráter e bom senso vai concordar que uma criança fique sob a guarda de um criminoso ou abusador, mas a realidade é que muitas dessas mentiras são utilizadas para afastar uma criança do genitor devido à uma vingança espúria daquele que se sentiu rejeitado ou que usa a criança como fonte de renda (e que atire a 1ª. pedra quem não conhece quem faz isso).

– O ponto principal nessa abordagem não é demonizar um lado ou outro (existem pais e mães bons e ruins) nem questionar a lei de Alienação Parental, que deve continuar a ser utilizada inclusive com cadeia para o alienador, mas sim que a justiça funcione e puna tanto o alienador quanto o abusador, que funcione para ambos os lados. Que tal acabar com a cadeia para quem deve pensão então? Como um devedor paga pensão ou arruma emprego preso? Ah mas isso é um verdadeiro “orgasmo” cerebral para várias mulheres; já participei (por pouco tempo) de grupos onde essas “mulheres empoderadas, poderosas e donas de seu nariz (sic)” se vangloriavam de colocar (ou tentar) colocar o pai da criança na cadeia. Que exemplo lindo, mas então porque também não defendem a prisão de alienadoras e a devolução de pensão que não é utilizada para a criança? Ou direitos para a mãe e deveres para o pai, é só isso? Pai serve para pagar pensão mas não para conviver com o filho?

– E para piorar um senador chamado Magno Malta (frisa-se não conseguiu se reeleger), o qual eu tinha uma grande admiração pelos discursos que fazia, está se mostrando favorável a que a lei seja extinta. O que leva uma pessoa que deveria defender leis que punam criminosos a pedir a extinção de uma delas? Será que ele é pai? Em sendo tudo bem se for um alienado e deixar de ver os filhos?

www.paisporjustica.blogspot.com/2010/08

transcrevo o trecho referente ao Senador, cujo conteúdo podem checar no link acima

“De acordo com o Sen. Magno Malta (PR-ES), presidente da CPI da pedofilia no Senado, a situação é mais comum do que se imagina. Ele disse ao G1 que, por conta disso, incluirá a alienação parental no relatório final da comissão. De cada 10 denúncias de pedofilia envolvendo pais separados que chegaram a comissão, 6 ou 7 são CRIMES de alienação parental. A pessoa quer se vingar e faz a denúncia. Essa é a estatística de casos que chegaram a minha mão. É uma grande irresponsabilidade. Falsa comunicação de crime é crime”

http://magnomalta.com/index.php/outras-notas-mainmenu-45/4160-magno-malta-quer-banir-a-lei-de-alienacao-parental

– Vejam a incoerência dos discursos nos links acima, com uma diferença de aproximadamente 8 anos. Em um deles se mostra contrário à alienação parental e depois quer extinguir a lei. O que será que aconteceu nesse período?

E da pressão das alienadoras um deputado desconhecido (e que ganha seus minutos de fama patrocinando um absurdo) apresentou a PL 10693/2018, em 01-08-2018, sugerindo a revogação da lei da alienação parental.

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2182126

Portanto peço a todos os alienados (e aqueles de caráter e bom senso que simpatizam com a causa) que não desistam e pressionam autoridades e judiciário a que a lei seja mantida e cumprida, e que esses criminosos chamados alienadores sejam punidos de forma exemplar, só assim poderemos conseguir vitórias no futuro. O lobby contrário é forte e determinado a continuar se vingando e prejudicando os alienados.

Reforçando um ponto que destaquei no texto anterior não vou dar voz a quem defende alienação. Não percam seu tempo tentando argumentar a favor desse crime.

Obrigado e até a próxima!