A “humanista” esquerda despreza a vida de Bolsonaro

5 de outubro de 2018

O atentado sofrido por Jair Bolsonaro expôs, de forma inequívoca, as entranhas pútridas da covardia e da falácia sobre uma suposta “superioridade moral” da esquerda.

O ato criminoso foi praticado por um militante marxista. Foi comemorado por 11 em cada 10 marxistas e, como não bastasse, a barbárie virou chacota, sendo tratada com o mais absoluto desprezo pela militância e pelos seus expoentes, que, hipocritamente, dizem lutar por um “ mundo melhor e com mais amor”.

Isso é tudo que você precisa saber sobre o pseudo-humanismo marxista e o péssimo caráter dos que seguem esta abjeta ideologia.

Por proibições médicas Jair Bolsonaro não pode comparecer ao Debate. A candidata Marina Silva debochou da condição em seu Twitter pessoal

A essência marxista não se importa, minimamente, com a dor humana. Ela somente usa suas agruras como moeda de troca para seus conhecidos estelionatos. É, exatamente, por esse motivo que os seguidores da ideologia amam o sofrimento alheio, a miséria, a fome. Por essa razão, multiplicam pobres, empilham cadáveres e fazem parcerias com todos os tipos de degenerados, com a mesma naturalidade de quem toma um gole de água. Seus operadores necessitam do sofrimento humano, seja ele qual for, como matéria prima para suas edificações mefistofélicas.

A ideologia genocida – apesar de pregar cínica e falsamente o respeito ao próximo – não enxerga o menor traço de humanidade em seus desafetos e adversários políticos. Eles são inimigos. Em assim sendo, precisam ser – literalmente – eliminados.

A esquerda almeja a completa destruição de valores civilizatórios. Nela, a maldade é milimetricamente calculada. O bestial torna-se uma referência intrínseca. Ela é o que de mais próximo existe do conceito da anticivilização e da banalização da existência humana. Enfim, o objetivo será sempre desumanizar o homem para colher os frutos do embuste que prega.

Daí a desumanidade com que os adversários políticos de Jair Bolsonaro trataram a barbárie que quase custou sua própria  vida.