Sidebar

24
setembro domingo

O empresário Joesley Batista e o ex-executivo da J&F Ricardo Saud se entregam por volta das 14h15 à Polícia Federal (PF), em São Paulo. A informação foi confirmada pela assessoria da companhia. A prisão temporária foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O pedido de prisão foi feito depois de Janot concluir que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos. A conclusão de que os delatores omitiram informações passou a ser investigada pela PGR a partir de gravações entregues pelos próprios delatores como complemento do acordo.

A PGR também pediu a prisão do ex-procurador da República Marcelo Miller, mas Fachin disse que não há elemento indiciário com a consistência necessária à decretação da prisão temporária.

Fachin havia determinado que o cumprimento dos mandados ocorressem com a “máxima discrição e com a menor ostensividade”, evitando o uso de algemas, pois não se trata de pessoas perigosas. “Deverá a autoridade policial responsável pelo cumprimento das medidas tomar as cautelas apropriadas, especialmente para preservar a imagem dos presos, evitando qualquer exposição pública”, diz a decisão.

No sábado (9), a defesa do grupo J&F colocou à disposição os passaportes do empresário Joesley Batista e do ex-diretor de Relações Institucionais da holding Ricardo Saud. A defesa do ex-procurador Marcelo Miller também colocou os documentos dele à disposição.

Defesa

A defesa do empresário Joesley Batista e do ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud contestou, por meio de nota, que eles tenham mentido ou omitido informações no processo que levou ao acordo de delação premiada.

“Em todos os processos de colaboração, os colaboradores entregam os anexos e as provas à Procuradoria [Geral da República] e depois são chamados a depor. Nesse caso, Joesley Batista e Ricardo Saud ainda não foram ouvidos”, diz a nota.

A defesa relembra que, no dia 31 de agosto, cumprindo o prazo do acordo, foi entregue à PGR, além dos áudios, anexos complementares para compor a delação. Os advogados apontam ainda que eles aguardam para serem ouvidos.

“O empresário e o executivo enfatizam a robustez de sua colaboração e seguem, com interesse total e absoluto, dispostos a contribuir com a Justiça”, afirma a defesa.

Advogado

O advogado de Joesley e Saud, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, divulgou uma nota afirmando que os delatores cumpriram rigorosamente tudo o que lhes era imposto ao assinarem o acordo de delação premiada.

“Não pode o Dr. Janot [Rodrigo Janot, procurador-geral da República] agir com falta de lealdade e, insinuar que o acordo de delação foi descumprido. Os clientes prestaram declarações e se colocaram sempre à disposição da Justiça. Este é mais um elemento forte que levara a descrença e a falta de credibilidade do instituto da delação”, disse o advogado, em defesa da revisão do uso do instituto de delação premiada.

As missões comerciais realizadas pelo governador Marconi Perillo para promover o relacionamento do setor produtivo de Goiás no exterior vêm garantindo o crescimento econômico e a geração de empregos no Estado. Dados das federações e associações empresariais e das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico (SED) e Gestão e Planejamento (Segplan) mostram que os investimentos estrangeiros confirmados no Estado ultrapassam os R$ 4 bilhões nos últimos 22 meses terminados em julho, com projeção de geração de 34 mil empregos diretos e indiretos longo dos próximos anos.

As Missões Comerciais realizadas pelo Governo de Goiás são parte da política estadual de estímulo ao desenvolvimento econômico e acumulam resultados expressivos para o crescimento do Estado nas duas últimas décadas. Esses resultados são demonstrados pela evolução dos números do Produto Interno Bruto (PIB), da balança comercial, da geração de empregos e da expansão do total de países com os quais Goiás mantém fluxo de comércio.

Nesse período, o PIB cresceu dez vezes, de R$ 17,4 bilhões em 1998 para R$ 178 bilhões em 2016. A balança comercial, por sua vez, cresceu 2,3 vezes entre 2005 e 2015, de US$ 1,093 bilhão para US$ 2,515 bilhões. O número de países para os quais Goiás exporta seus produtos cresceu duas vezes e meia, de cerca de 50 em 1998 para 145 nações em 2015.

China, Holanda, Índia, Rússia, Coreia do Sul, Irã, Estados Unidos, Hong Kong, Vietnã e Itália são os principais destinos das mercadorias de Goiás, exatamente os países priorizados pelas principais missões comerciais empreendidas. O saldo da balança comercial é positivo para Goiás, com os valores exportados superando o total de importações, evidenciando a força da economia do Estado e o resultado do estímulo do Governo de Goiás à promoção do comércio exterior.

Entre os maiores investimentos estrangeiros anunciados para o Estado nos últimos meses estão Heineken, Caracal, Gerresheimer, Orico Gold, Anglo e Heinz, todos resultados das missões comerciais realizadas pelo Governo de Goiás. É o caso também de Hyundai, Suzuki e da ampliação da Mitsubishi.

Reportagem publicada em março pelo jornal O Popular mostrou que, 2016, Goiás ficou na 5.ª posição entre os Estados que mais ampliaram o número de empresas que passaram a exportar seus produtos para o exterior: "353 empresas de Goiás, de todos os tamanhos e setores, venderam para todos os cantos do mundo, 70 a mais que em 2015", afirmou a reportagem.

"Os números colocaram Goiás no quinto lugar no mapa de novas empresas exportadoras do País, ficando atrás apenas de Rio Grande do Sul e Santa Catarina (58), São Paulo (52) e Minas Gerais (48)", afirmou a reportagem, que relata ainda que "por estas razões, as missões internacionais são consideradas vitrines pelos empreendedores".

A reportagem indica que as missões comerciais criam oportunidades de negócios não apenas para aqueles empresários que integram as delegações, mas também para outras empresas instaladas em Goiás, que acabam por se tornar conhecidas como resultado da apresentação das potencialidades do Estado pelo governo no exterior.

Em 2015, no auge da crise, o comércio exterior garantiu que a balança comercial goiana fechasse o ano com o segundo maior saldo da década. As exportações somaram US$ 5,8 bilhões e as importações US$ 3,3 bilhões de dólares no ano passado. O saldo de 2,51 bilhões de dólares (diferença entre exportações e importações) só ficou atrás do de 2014, quando foram registrados 2,56 bilhões de dólares (variação de apenas 1,7% ou US$ 500 mil). Com isso, Goiás representou 12,7% do saldo nacional, de quase US$ 20 bilhões.

O resultado da balança comercial é reflexo do avanço da economia goiana. Avaliação sobre o Estado divulgada no boletim regional do Banco Central indica que o Produto Interno Bruto (PIB) goiano cresceu, em média, 4,8% ao ano de 2005 a 2014, diante do aumento médio de 3,4% do nacional. O desempenho foi atribuído ao comércio, indústria de transformação (biocombustíveis, alimentos e vestuário) e setor de serviços (transporte e prestadoras de serviços a empresas).

Em 2015, a análise mostra que o PIB goiano cresceu 0,5% no período de 12 meses encerrado em junho, enquanto o País registrava retração de 1,2%. A participação goiana no PIB do Brasil também foi destacada pelo BC, passou de 2,5%, em 2004, para 2,8% em 2012 – último dado do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre 2015 e 2004, o crescimento da produção industrial foi de 43,7% , enquanto que no País o aumento foi de 9,3%. A evolução foi sustentada em grande parte pela indústria alimentícia, principal alvo das missões comerciais. Outro destaque foi a participação da indústria química e farmacêutica que juntas representam mais de 8% no Valor da Transformação Industrial (VTI). 

Outro segmento de destaque, como resultado das missões comerciais, são os investimentos em mineração, que anunciaram em abril deste ano investimento de R$ 2,3 bilhões em Goiás. O incremento da produção é resultado da demanda estrangeira, impulsionada pela divulgação do setor mineral de Goiás no exterior.

Acontece amanhã,  segunda-feira (11), às 14 horas na Assembleia Legislativa a audiência publica que discutirá o projeto de lei nº 367/2017 que converte gastos de segurança privada em abatimento no ICMS. As empresas poderão abater até 50% do seu investimento em segurança privada no valor devido no ICMS. 

De acordo com levantamento preliminar, em locais onde existem segurança privada os números de violência e criminalidade são menores do que aqueles desprovidos deste serviço.

Segundo Santana, com o aumento dos serviços de segurança privada a necessidade de mão de obra na atividade irá aumentar, portanto mais pessoas poderão ser empregadas e com isso a economia acabará crescendo gradativamente. Por outro lado, apesar dessa redução do ICMS representar uma diminuição na receita, irá refletir no aumento do consumo, aumentando o consumo, consequentemente a arrecadação de impostos em cima das mercadorias também aumentará.

De acordo com a SSP , secretaria de segurança publica , apesar dos índices  de criminalidade estarem diminuindo, a população goiana se sentirá ainda mais segura com esses profissionais da segurança privada nas empresas, uma vez que, com os estabelecimentos protegidos , a PM poderá direcionar suas atenções para os locais com maiores necessidades. “Graças a forte atuação da Polícia Militar o índice de criminalidade vem diminuindo, contudo com a aprovação desse projeto de lei, os donos de empresas e funcionários poderão estar mais seguros em seus estabelecimentos”, comentou o Deputado Santana.

No primeiro compromisso da Missão Comercial do Governo de Goiás, governador e Ministério da Educação e Cultura do Uruguai firmam parceria para intercâmbio de estudantes, ensino de língua inglesa, formação de professores e aproximação de orquestras sinfônicas


 No primeiro compromisso da Missão Comercial no Cone Sul, o governador Marconi Perillo estabeleceu, em Montevidéu, termo de cooperação com o Governo do Uruguai nas áreas de educação e cultura. A parceria vai promover o intercâmbio de estudantes, por meio do Goiás Sem Fronteiras, formação de professores, ensino da língua inglesa e a aproximação das orquestras sinfônicas do país sul-americano e do Estado.

Marconi foi recebido na manhã desta sexta-feira pela subsecretária de Educação e Cultura do Uruguai, Edith Morais, para discutir os termos da cooperação. Acompanhado da secretária de Estado de Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, o governador apresentou os números e os avanços da educação formal, superior e profissional do Estado e manifestou o interesse das instituições de ensino nas três áreas em estreitar os laços com o Uruguai. Os secretários da Fazenda, João Furtado, e de Gestão e Planejamento, Joaquim Mesquita, que compõem a comitiva, também participaram.

A subsecretária afirmou que a equipe do Ministério de Educação e Cultura do Uruguai ficou "muito impressionada" com o avanço de Goiás na educação, especialmente no que se refere à melhoria do ensino aprendizagem. "Temos muito a cooperar em função das transformações que estamos vivendo na Educação, para que, juntos, possamos oferecer a oferecer o melhor ensino", disse Edith Morais. Ela citou a intenção do governo uruguaio de trabalhar em conjunto no educação básica, com destaque para o ensino de inglês e a formação de professores, além dos investimentos para o emprego das novas tecnologias de informação e comunicação nas escolas.

A subsecretária e o governador também abriram a agenda de cooperação para que as Orquestras Sinfônicas do Uruguai e de Goiás aproximem seus músicos e direções para a formulação de um calendário de concertos nos dois países. Marconi apresentou para Edith Morais os investimentos para criação e formação da Orquestra Filarmônica do Estado de Goiás e para a Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de Goiás, destacando que ambas têm mantido calendário frequente de apresentações em diversos países ao redor do mundo.

Mais cedo, Marconi teve reunião com o diretor nacional de Turismo do Uruguai, Carlos Fagetti, e com a diretora-geral Hyara Rodri?guez. No encontro, Marconi destacou as potencialidades e oportunidades turísticas de Goiás, e assinou protocolo para intercâmbio turístico entre Uruguai e os Estados do Brasil Central, com destaque para Goiás, além de debater o combate ao turismo sexual e tráfico humano.

Goiás mantém bom fluxo de turistas para o Uruguai, movimento que cresceu nos últimos anos, e o governador quer aumentar a vida de uruguaios para o Estado, especialmente para o setor do ecoturismo, que desperta grande interesse entre os uruguaios.

Marconi comanda até o próximo dia 13 Missão Comercial do Governo de Goiás no Cone Sul. Marconi e comitiva vão aos países vizinhos Uruguai, Argentina e Paraguai para apresentar as potencialidades da economia do Estado para autoridades, empresários e investidores dos três países sul-americanos. A Missão Comercial ao Cone Sul integra a agenda econômica de apresentação das oportunidades de investimentos em Goiás para companhias e investidores estrangeiros, que tem garantido ao Estado a atração de novos empreendimentos, com geração de empregos, mesmo durante a crise econômica nacional. 

O objetivo da missão nos países sul-americanos é aprofundar as relações comerciais com os três países, especialmente nas áreas relacionadas ao agronegócio. A agenda de trabalho de Marconi começou nesta sexta-feira em Montevidéu, no Uruguai, e ainda inclui reuniões na Câmara de Comércio (16h), na Câmara da Indústria (16h45) e Encontroo de Negócios entre empresários de Goiás e do país sul-americano (19h). No sábado, 8, Marconi vai à Expo Prado 2017 e, logo após, segue para a Argentina, para a segunda etapa da Missão Comercial do Governo de Goiás no Cone Sul.

Na segunda-feira, em Buenos Aires, Marconi tem reunião de trabalho com o presidente da Agência Argentina de Investimentos e Comércio Internacional, Juan Pablo Trípoli.  Em seguida, será recebido pelo secretário de Relações Econômicas Internacionais, embaixador Horacio Reyser Travers. À tarde, às 17h45, Marconi recebe da Legislatura de Buenos Aires o título de Hóspede de Honra da Cidade de Buenos Aires.

Na terça-feira, 11, Marconi comanda o Encontro de Integração Goiás-Argentina, que será realizado na Embaixada do Brasil mem Buenos Aires entre 9h30 e meio-dia. O governador vai apresentar as potencialidades da economia de Goiás, com as oportunidades de investimentos no Estado, e os secretários de Fazenda, João Furtado, Gestão e Planejamento (Joaquim Mesquita), e Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, que integram a comitiva, vão falar sobre os programas e ações de governo em suas áreas, com destaque para o desenvolvimento econômico e humano de Goiás.

No final do dia de terça-feira, 11, o governador segue para a terceira e última etapa da missão, em Assunção, no Paraguai. Na manhã de quarta-feira, 13, Marconi apresenta as potencialidades de Goiás na Câmara de Comércio Brasil-Uruguai, depois e recebido no Ministério da Indústria e Comércio do Paraguai e, logo após, pela União Industrial Paraguaia, onde também fala sobre as oportunidades de negócios entre Goiás e o país sul-americano.

Foi realizada na última quarta-feira (6/9), na sede do MP-GO, reunião entre o Centro de Apoio Operacional (CAO) do Consumidor, a 12ª Promotoria de Justiça de Goiânia e representantes da administração municipal de Goiânia para debater questões de segurança relativas à emissão de documentação que permite o funcionamento de parques no município. Para o Ministério Público, é necessária a edição de uma lei municipal que reforce os critérios de fiscalização desses estabelecimentos.

Representando o MP-GO, estiveram presentes na reunião o coordenador do CAO Consumidor, Rômulo Corrêa de Paula, e a promotora Maria Cristina de Miranda, da 12ª Promotoria. O encontro contou também com a presença dos representantes da Vigilância Sanitária, Dagoberto Luiz Costa, chefe da Divisão de Fiscalização de Estabelecimentos Assistenciais em Saúde; Geraldo Vieira Júnior, gerente de fiscalização; e Francinez Linhares, chefe do Departamento de Fiscalização de Ambientes de Interesse à Saúde. Pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia (Sedetec), estiveram presentes o secretário de Ciência e Tecnologia, Macxwell Novais Ferreira; o advogado da secretaria, Caio Mota; e Walter de Oliveira.

De acordo com os promotores, há uma ausência de legislação que responsabilize especificamente algum órgão ou profissional pela fiscalização da segurança dos brinquedos dos parques. Dessa forma, essas atrações acabam obtendo a documentação necessária para seu funcionamento sem a existência de um rígido monitoramento de seus equipamentos.

Com a intenção de resolver o problema, o MP se mostrou favorável à edição de uma lei municipal que exija a emissão de um laudo feito por engenheiro com Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) que comprove a segurança dos brinquedos, como também estabeleça critérios mais rígidos de fiscalização e englobe todos os requisitos necessários ao bom funcionamento de parques ou qualquer estabelecimento que tenha brinquedos de diversão. Também deve ser exigida a qualificação dos operadores desses equipamentos.

Para isso, os participantes do encontro concordaram em elaborar, de forma conjunta, uma minuta de lei que contenha todas as normas de fiscalização necessárias. Com a minuta finalizada, o documento deverá ser apresentado, no dia 11 de outubro, em uma reunião na sede do MP, a representantes do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-GO), da Agência Municipal de Turismo e Lazer (Agetul), Corpo de Bombeiros, da Superintendência da Ordem Pública de Goiânia, além da procuradora-geral do Município, Ana Vitória Gomes Caiado, e do vereador Eduardo Prado, que atua na área de direitos do consumidor.

Com o apoio das instituições, será enviada minuta do projeto de lei ao prefeito Iris Rezende para encaminhamento à Câmara dos Vereadores.

(Texto: Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

O Ministério Público instaurou, na última quarta feira  (6/9), inquérito para apurar eventuais irregularidades na realização do Goianésia Mix Festival, que acontece do dia 07 até o dia 10 de setembro. Segundo apurado pela promotora Márcia Cristina Peres, o valor utilizado para a realização do evento, proveniente de verbas públicas, tem alto custo aos cofres municipais e há irregularidades no seu processo licitatório.

Inicialmente, o custo divulgado para a realização do evento, no valor de R$ 1,5 milhões, extrapola o valor estabelecido pela lei orçamentária municipal de 2017, que prevê gastos no valor de R$ 716 mil. O valor também não cobre custos relativos à publicidade, locação de serviços de som, palco, tendas, banheiros, gerador, hospedagem, alimentação de artistas e equipes, despesas com montagem de camarim, iluminação, serviços de segurança, dentre outros.

Além disso, com o dinheiro investido no festival, a administração municipal, que já lida com dificuldades financeiras e dívidas, poderia resolver deficiências em serviços de saúde, educação e saneamento básico. A promotora observa também que o município não divulgou detalhes relativos ao cronograma da festa, plano de interdição de ruas, de segurança pública e níveis de volume de som.

Ainda com relação ao valor do evento, a prefeitura informou que o valor utilizado foi realocado de outras áreas, mas o processo não passou por aprovação na Câmara Municipal.

No âmbito da legalidade do processo licitatório, é apontada uma série de irregularidades. De início, apenas uma empresa foi direcionada para a venda de bebidas e alimentação, podendo ainda sublocar barracas a terceiros, o que é vedado pela Lei de Licitações.

Adicionalmente, o valor lucrado pela empresa nesse processo é superior ao que poderia ser arrecadado caso o município fosse o responsável pela exploração do serviço. Ainda segundo a promotora, a obtenção de lucro por uma empresa privada na comercialização de camarotes configura improbidade administrativa, já que o evento foi financiado com verba pública.

Procedimentos do Inquérito 
Com o objetivo de analisar toda a realização do evento, a promotora oficiou o prefeito de Goianésia, Renato Menezes de Castro, para que informe, no prazo de dez dias, o valor total, detalhado por despesa, gasto na realização do festival, além de esclarecer quais despesas que já foram pagas até o momento, com apresentação de comprovantes de pagamento. Deverá informar também à promotoria se o remanejamento de verbas de outros setores ou abertura de crédito foi autorizado pela lei do município, e de quais setores essas verbas foram redirecionadas, além de esclarecer de que maneira a administração irá realizar ou concluir obras públicas em andamento. É exigido ainda que ele entregue cópia do ato que designa Marília Oliveira Gonçalves Vilela como ordenadora das despesas do evento, e disponibilize o extrato das contas bancárias do município entre o perídio de 1º de junho a 6 setembro de 2017.
No documento, ainda são convocados para prestar depoimento na promotoria Stella Rodrigues da Cunha Afonso, secretária municipal de Esporte, Juventude e Lazer; José Henrique Rocha de Morais, chefe da Controladoria Interna do município; Odair José dos Passos Borges, que assinou diversos documentos do Departamento de Contabilidade do município, e Jairo Pacheco da Silva, secretário de Finanças do município de Goianésia, que deve também apresentar extrato de movimentação da classificação funcional da conta orçamentária de 2017, com indicação de todas as suplementações, origem de recursos e autorizações legislativas.
Os proprietários das empresas responsáveis pelos camarotes do festival e pela venda de bebidas e produtos alimentícios também foram convocados a depor. A empresa responsável pelos camarotes deverá informar a quantidade máxima, por lote, valor unitário, discriminado por ingresso individual, passaporte e lounge, de ingressos comercializados no evento e o valor dos gastos com montagem de estrutura, artistas e aquisição de bebidas, em todos os dias de funcionamento do camarote, com encaminhamento de comprovantes. Deverão apresentar ainda cópia da autorização expedida pelo Corpo de Bombeiros e cópia do alvará autorizando o funcionamento do camarote. 
A empresa responsável pelo comercialização de bebidas e produtos alimentícios deverá esclarecer à promotoria se foram sublocadas as barracas de alimentação e bebidas, com relação de nome, endereço e telefone dos sublocatários, além de valor das transações, acompanhada de cópia dos contratos; a quantidade de bebidas que foram comercializadas durante o evento, discriminando o valor unitário de venda, por tipo de bebida, além das marcas das bebidas, e, por último, que tipo de comida foi comercializada, informando os nomes, endereços e telefones dos responsáveis pela exploração do serviço.
Por último, é exigido do Corpo de Bombeiros que informe se foi realizada vistoria para a realização do evento e se o contingente foi reforçado, encaminhando cópia da documentação.

(Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

O primeiro compromisso do presidente da Assembleia Legislativa, José Vitti, como governador do Estado em exercício a partir desta quinta-feira, 7, foi no Desfile Cívico Militar esta manhã, na Avenida Tocantins, em comemoração aos 195 anos de Independência do Brasil. Vitti deu início à solenidade com o hasteamento da bandeira do Brasil. Ao seu lado, o prefeito da Capital Iris Rezende alçou a bandeira de Goiânia e o general de Brigada do Exército Brasileiro, Sérgio Schwingel, a bandeira de Goiás.

Vitti comentou sua satisfação em representar o Executivo numa ocasião tão emblemática para todos os brasileiros. “Participar desse momento enquanto governador é uma honra. Essa é uma data que jamais deve ser esquecida e representa um marco para o nosso País, pois mesmo em momentos de crise vivemos numa democracia, em que nossas ideias e expressões são respeitadas”, afirmou.

As autoridades também assistiram a apresentação das bandas Juvenil de Goiânia e de colégios estaduais e os desfiles do Exército; Polícia Militar de Goiás; Corpo de Bombeiros Militar e Guarda Civil Metropolitana. 

Milhares de goianienses acompanharam as comemorações ao dia da Pátria. Várias autoridades estiveram presentes. Entre elas o presidente da Câmara Municipal, Andrey Azeredo, o comandante geral da PM, coronel Divino Alves; do Corpo de Bombeiros, Carlos Helbingen; entre outros.

Coordenador do Goiás na Frente, programa que envolve mais de R$ 9 bilhões em obras estruturantes, construção de habitações e apoio direto aos municípios, vice-governador visitou cinco cidades da região Norte ontem  (06/09). “Recursos vão resultar em progresso em todas as áreas”, disse durante agenda


“Esta foi uma importante etapa, em que o Governo de Goiás fez chegar a todos os municípios recursos para ações consideradas prioritárias para o desenvolvimento municipal e regional”, declarou o vice-governador Zé Eliton nesta quarta-feira (06/09), durante o giro da caravana do Goiás na Frente pela região Norte do estado. Ao firmar parceria com os municípios de Santa Tereza de Goiás, Formoso, Trombas, e Montividiu do Norte, José Eliton, coordenador do plano de investimentos do governo de Goiás, conclui a etapa de formalização de convênios com as prefeituras de todos os municípios goianos, processo que ele conduziu pessoalmente, estabelecendo um intenso diálogo com os gestores municipais.

Os convênios com as quatro cidades somaram mais de R$ 10 milhões, a serem investidos em obras de pavimentação asfáltica e recapeamento em praticamente todos esses municípios, à exceção de Santa Tereza, que vai reformar o Estádio Municipal com os recursos repassados do Tesouro Estadual.

Progresso

Conforme destacou o vice-governador, o programa leva aos municípios recursos que vão resultar em progresso em todas as áreas. “Os municípios, na sua maioria, vivem situação financeira muito difícil e só têm condições de realizar investimentos a partir desse apoio que está sendo feito pelo governo, por meio do programa Goiás na Frente”, disse.

Para José Eliton, “o balanço é altamente positivo dos trabalhos realizados até agora; temos um momento extremamente virtuoso no estado de Goiás no que diz respeito ao seu processo de desenvolvimento”. E completou: “é bom lembrar que esses investimentos implicam numa dinamização da economia, no fortalecimento da geração de empregos no estado, afinal, são muitas frentes de serviço, que empregam mão de obra e impactam a economia dos municípios”.

Frentes de trabalho

Enquanto o vice-governador visitava os municípios da região Norte, o governador Marconi Perillo percorria cidades da região Oeste do estado, num esforço redobrado para fechar a agenda de convênios nessa quarta-feira, para que todos os municípios possam iniciar o mais rápido possível as obras. Em setembro, a dupla se divide em duas frentes de trabalho para vistoriar as obras em andamento em todo o estado.

Em Campinaçu, o vice-governador Zé Eliton ficou de retornar à cidade em outra oportunidade, uma vez que o evento do Goiás na Frente foi suspenso em respeito à população enlutada com a morte da professora Nilcilvânia Monteiro, da Escola Municipal 14 de maio.  

Investimentos na região Norte 

Além do apoio direto aos municípios, o programa Goiás na Frente prevê obras de infraestrutura e logística em toda a região, impulsionando a economia e promovendo o desenvolvimento regional. Para a região, o governo destinou R$ 422 milhões para obras em todas as áreas, entre elas, rodoviárias que vão envolver R$ 186 milhões para construção (R$ 126 milhões), reconstrução (R$ 40 milhões) e manutenção (R$ 20 milhões).

Para melhorar a educação, o Goiás na Frente prevê investimentos da ordem de R$ 9 milhões na região, sendo R$ 2,2 milhões para construção e cobertura de quadras de esporte e R$ 7 milhões para construção de escolas, além de várias outras ações realizadas na educação e que vão ter reflexos nas escolas.

Para a saúde, o governo destinou, por meio do Goiás na Frente, R$ 72 milhões que vão ser gastos para a conclusão do Hospital Regional de Uruaçu, importante centro regional de atendimento à saúde. O governo construirá, ainda, uma pista de pouso em Muquém e um Itego, que somando dará R$ 21,7 milhões.

O governo investe ainda em saneamento básico recursos da ordem de R$ 31,5 milhões, além de R$ 56 milhões para construção de casas populares em todos os municípios. A Universidade Estadual de Goiás (UEG) de Uruaçu terá um auditório e a de Porangatu, uma biblioteca e centro de aulas, envolvendo um volume de recursos da ordem de R$ 3,8 milhões.

Além disso, a Emater terá um galpão para beneficiamento de sementes em Uruaçu, obra que custará R$ 1,7 milhões. Só em apoio aos municípios, o Goiás na Frente repassará às 26 prefeituras da região Norte o volume de R$ 39,5 milhões.

Iniciativa de empresa goiana é pioneira e promete economia real evitando gastos com combustível e locação de gerador

O sol que atrai centenas de turistas para as praias do Araguaia, em Goiás, também será fonte de geração de energia elétrica para os acampamentos no local. Isso porque serão instaladas placas fotovoltaicas no "Acampamento dos Amigos"?, que está sendo realizado? em Aruanã (GO)? dos dias 6 a 10 de setembro??. 

O foco da ação é fornecer energia elétrica para o sistema de bombeamento de água durante o dia e armazenar energia suficiente para abastecer um lounge sustentável, onde ocorrerá luau acústico à noite. A exclusividade do lounge não fica apenas no fornecimento de energia 100% renovável, pois o mesmo ainda contará com material reciclado e reutilizado, além de decoração natural para um total de 60 pessoas acampadas.

A ação é pioneira e de iniciativa da empresa goiana Stonos Desenvolvimento Criativo em parceria com a Globaltek, empresa de soluções em energia fotovoltaica offgrid.


Dados

A energia solar fotovoltaica está em ampla expansão no Brasil e é uma opção viável para redução de custos. Só no ano de 2016, o setor cresceu mais de 300%, com perspectivas ainda maiores para os próximos anos. A crise não abalou o setor de energias renováveis, que se mostram como uma importante alternativa para a retomada de crescimento no País. Pedro Provázio, engenheiro eletricista diretor da Stonos, explica que é preciso pensar em soluções que atendam às demandas sem prejudicar o meio ambiente. “A energia fotovoltaica se utiliza basicamente da incidência solar. Com o investimento no sistema é possível garantir um retorno do valor despendido em aproximadamente 5 anos. As praias do Araguaia são locais de contemplação, por isso escolhemos a região para chamar a atenção para a necessidade de repensar velhos hábitos”.


Energia fotovoltaica

A energia solar fotovoltaica é gerada a partir da incidência de luz solar em placas fotovoltaicas. Seu uso pode reduzir em até 95% a dependência da energia distribuída pelas concessionárias. Além disso, trata-se de uma fonte renovável, sendo assim, de baixo impacto ambiental.

Setor
Neste mês, o Brasil atingiu a marca de 100 MW de potência acumulada em sistemas de microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaica. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), o Brasil possui 12.520 sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, trazendo economia e engajamento ambiental a 13.897 unidades consumidoras, somando mais de R$ 850 milhões em investimentos acumulados desde 2012.


Sobre a Stonos Desenvolvimento Criativo

Empresa goiana de engenharia atuante nos ramos da energia, sustentabilidade e  construção. Através de empreendimentos arrojados, a Stonos atua no setor imobiliário levando sustentabilidade e infraestrutura com baixo impacto ambiental.
Apoiar os processos de consolidação da construção sustentável e da universalização da energia implicam na participação da cadeia produtiva, o que a Stonos define como comprometimento junto à evolução da sociedade.

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), defendeu, nesta quarta-feira (6/9) o projeto (PLC 56/2017), que regulamenta a profissão de Agentes Comunitários de Saúde e Combate às Endemias. O relatório da senadora Marta Suplicy foi aprovado na Comissão de Assuntos Sociais e segue para apreciação no plenário. Caiado fez questão de exaltar a importância da atuação do agente comunitário na prevenção da saúde e lembrou a luta a goiana Ruth Brilhante (ex-presidente da Confederação Nacional  do Agentes Comunitários de Saúde, falecida recentemente) pela melhoria das condições de trabalho da categoria.
 
“Fiz questão de fazer referência a uma goiana especial, Ruth Brilhante, que se foi recentemente, e ficou conhecida por liderar essa luta. O nome dela precisa ser mencionado agora que o projeto avança no Senado. Ela foi uma pessoa extremamente sensível que com seu jeito próprio, humilde, mobilizou e aglutinou em favor dos agentes comunitários”, disse ao homenagear o trabalho de Ruth Brilhante.
 
O senador, como médico, explicou o papel fundamental da prevenção exercido pelos agentes comunitários que evita doenças e desafoga o Sistema Único de Saúde. “Como médico-cirurgião que sou também preciso ressaltar a importância do trabalho de prevenção que cabe aos agentes comunitários na saúde pública. Há duas semanas tive oportunidade de ir ao Hospital do Câncer, em Barretos, onde conversamos sobre o trabalho da prevenção. É impressionante o trabalho. Em raio de 100km da cidade, não há casos de câncer diagnosticados na 1ª fase que não tenham sido curados. Ao todo, 42% dos pacientes internados no maior hospital de São Paulo têm sequelas de diabetes. Precisamos de um trabalho eficaz de prevenção. O cidadão morre de AVC, infarto, insuficiência renal mas a causa mortis não traz o fato de origem. Onde entra o agente comunitário? como prepará-lo? Em Goiás, de cada 3 pacientes com AVC, um vai a óbito sem ser atendido. Evitaríamos com estrutura mínima de prevenção de agentes comunitários. Fica aqui o nosso apoio e nosso elogio a esse projeto que regulamenta essa profissão essencial para uma saúde pública preventiva”, defendeu.
 
O projeto traz as diretrizes centrais e funções do agente comunitário de saúde, jornada de trabalho, valorização da categoria, formação e direitos, como indenização por transporte utilizado durante o trabalho.

O presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, deputado José Vitti (PSDB) assume nessa quinta-feira, 7, o governo do Estado interinamente por uma semana e terá como primeiro compromisso a presença no Desfile Cívico Militar em comemoração ao Dia da Independência do Brasil. A solenidade será realizada na Avenida Tocantins, a partir das 8h. Vitti vai ficar à frente do Executivo até o dia 14 de setembro, período em que o governador Marconi Perillo estará em missão comercial pelo Mercosul e o vice-presidente José Eliton (ambos do PSDB) vai estar de licença para interesse particular.

Na manhã desta quarta-feira, 06, Vitti comandou a solenidade de hasteamento do Pavilhão Nacional na entrada do Palácio Alfredo Nasser. "Manter esse simbolismo é reverenciar a nossa democracia", disse.

Além do presidente da Assembleia, também hastearam bandeiras o secretário de Segurança Pública Ricardo Balestreri e o secretário de Governo, Tayrone di Martino. Alunos do Colégio da Polícia Militar também fizeram apresentações musicais na solenidade.

As despesas com monitoramento eletrônico poderão ser custeadas pelo condenado, de acordo com a proposta apresentada pelo deputado federal Major Olimpio (SD-SP).

O Projeto de Lei 8459/2017, de sua autoria, altera a Lei de Execução Penal e o Código de Processo Penal, em que obriga que aqueles que saiam temporariamente das unidades prisionais, ou estejam em prisão domiciliar ou cumprimento de medida cautelar, sejam obrigados a utilizar esse equipamento, e arquem com o custo dele como forma de desonerar o Estado.

O projeto do parlamentar aponta que mais de 24 mil pessoas estão  sob vigilância, e que são gastos em média R$ 300 por mês para monitorar condenados. O principal item utilizado é a tornozeleira eletrônica.

Para o Major Olimpio, a sociedade brasileira não pode e não deve arcar com esse custo. “Aqueles que estão sob cumprimento de pena optaram pela prática criminosa, e o Estado não pode ser conivente com isso, e onerar o contribuinte para custear esses equipamentos.”

E finalizou. “Esse dinheiro precisa, e deve ser investido em outros setores que tanto necessitam.  Essa verba deve ser destinada aos cidadãos de bem,  e não aos que se colocaram a margem da sociedade e afrontaram o ordenamento jurídico”.

Gustavo Mendanha irá a Israel em missão comercial para atrair novos investidores para a cidade

Às 11h25 desta quarta-feira (6) o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, assinou o decreto que confere ao então vice, Veter Martins, o cargo de prefeito em exercício. Gustavo empreenderá missão comercial a Israel e, entre os dias 10 e 23 de setembro, Veter é quem responderá pelo Executivo aparecidense.

É a primeira vez, na atual gestão, que o prefeito transfere o cargo ao vice-prefeito. Por força de lei, como o afastamento de Gustavo é inferior a 15 dias, ele não teria a obrigação de executar tal ato. “Mas o faço pela gratidão, pela lealdade e pela relação próxima e de confiança que tenho com Veter Martins”, ressaltou. “Meu sentimento em relação ao prefeito é de zelo. Por ele e pela gestão dele. Estou sempre a postos para o que ele precisar”, devolveu o vice-prefeito.

Como o prefeito viaja a Israel apenas no dia 10 de setembro, ele aproveitou reunião de trabalho nesta quarta-feira com secretários, secretários-executivos e vereadores – sexta, dia 8, será ponto facultativo para os servidores públicos municipais - para oficializar a passagem de comando na prefeitura. 

“Desde o início deste mandato o Veter tem participado de todas as decisões. Portanto, não há nada na administração que lhe parecerá estranho nestes dias em que estarei fora”, afirmou o prefeito. O presidente da Câmara, Vilmar Mariano, também fez um breve pronunciamento: “A forma como Gustavo tem trabalhado e administrado esta cidade tem impactado positivamente a nossa atuação na Câmara. Quanto ao Veter, eu sei das lutas e das batalhas dele. Desejo a ele muita sorte e sucesso”.


Em virtude da escassez hídrica na Bacia do Meia Ponte, o Governo de Goiás decretou situação de emergência por 90 dias e agora definirá, por meio da Secima, as ações de restrição para garantir os usos prioritários da água.
O decreto assinado pelo governador Marconi Perillo levou em consideração os estudos feitos pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Cidades (Secima), Secretaria de Desenvolvimento (SED) e Saneago, todos apontando a escassez hídrica do Meia Ponte.
Os estudos apontam uma severa estiagem. Entre os anos de 2014 e 2017, houve redução de 25% nos índices de chuva acumulada nos municípios de Goiânia e Santo Antônio de Goiás, sendo este o principal motivo para a atual situação de déficit hídrico. Além disso, o prognóstico de precipitação para os meses de setembro, outubro e novembro deste ano na Região Centro-Oeste também aponta para chuvas abaixo do normal. Devido ao estresse hídrico do Meia Ponte, a Saneago tem captado entre 1.500 e 1.700 litros de água por segundo desde o dia 29 de agosto, índice abaixo dos 2.300 L/s outorgados à empresa.
A situação de emergência leva ainda em consideração a crise de abastecimento público de água que a Região Metropolitana vem enfrentando nos últimos dias, com racionamento no fornecimento de água em alguns bairros da capital.
Tendo em vista a redução do volume de água do Meia Ponte, fica declarada a situação de emergência por 90 dias. Cabe agora à Secima definir as restrições para o uso de água potável da rede pública para utilização domiciliar, comercial, industrial e de lazer enquanto permanecer a situação de emergência e definir também os índices de redução da captação para as atividades agropecuária, industrial e comercial na Bacia do Meia Ponte.
A Secima fica encarregada ainda de fiscalizar o cumprimento das medidas restritivas que serão tomadas e aplicar as sanções legais cabíveis. Durante o período, a SED fica encarregada de orientar e apoiar agricultores e industriais, visando a melhoria na eficiência no uso da água.