Sidebar

24
setembro domingo

Organizado pela deputada estadual Eliane Pinheiro (PMN), foi aberto na noite desta segunda-feira o 1.º Festival da Cachaça de Orizona, que acontece entre os dias 14 e 16 de setembro, em meio à comemoração dos 167 anos do município. A solenidade aconteceu no Palácio das Esmeraldas, com a presença do governador em exercício, José Vitti (PSDB). A cachaça é o produto mais famoso do Orizona, mas ainda é refém de processos de produção artesanais, que fazem com que a fabricação continue muito aquém do potencial da cidade. 

Para montar o Festival, Eliane buscou apoio do Sebrae e da Goiás Turismo. A proposta é profissionalizar os alambiques locais e transformar a bebida em mais uma vitrine para turistas. A deputada afirma que o circuito, além de gerar receita, vai estimular a saída do mercado informal com a criação de um selo de qualidade. A formalização, por sua vez, criará mais empregos. “Um alambique que produz 30 mil litros por ano hoje emprega, em média, quatro pessoas. Em pouco tempo a gente consegue elevar a produção de cada uma destas ‘empresas’ para 70 mil, pelo menos”, diz Eliane.

Localizada na região oeste do Estado, Orizona é berço de cachaças famosas já extintas como Marçalina e Dito Pedro. Muitos dos pioneiros que ajudaram a fundar o município, no início dos anos 1700 (ainda com o nome de Campo Formoso), eram produtores foragidos que haviam participado da Revolta da Cachaça, em Minas e Rio de Janeiro, contra o Fisco português. 

O prefeito de Orizona, Joaquim Marçal (PSDB), vê o circuito como oportunidade para resgatar a história da cidade, mas além disso melhorar a receita da prefeitura, que passa por dificuldades. “Já tivemos aqui cerca de 70 alambiques. Hoje são uns 25, poucos são legalizados. A maioria está na ilegalidade. Queremos que sejam os melhores do Brasil”, afirma. 

PROGRAMAÇÃO
O Festival começa no dia 14 de setembro e vai até o dia 16, sábado. Além de shows e da apresentação da banda da Polícia Militar, no primeiro dia haverá também palestra com representantes do Sebrae sobre a necessidade de se profissionalizar a produção da cachaça no município. No dia seguinte serão três palestras com representantes do Sebrae, todas elas no Sindicato Rural. Está prevista a abertura de estandes com exposição de artesanato local, exibições de dança, coral, e o mais importante: oficinas para ajudar os produtores de cachaça local a otimizarem a fabricação e venda dos seus produtos. 

No sábado, último dia do evento, haverá oficinas de artesanato (pintura e dança), recital de poesia, apresentação de Folia de Reis, quadrilha, show de talentos para apresentadores locais, estandes com comidas feitas a partir de receitas típicas, uma sessão solene na Câmara Municipal e um evento com a presença do governador Marconi Perillo (PSDB). O encerramento acontece com um show do cantor Gabriel Abreu.

O presidente da Câmara Municipal, Vereador Andrey Azeredo (PMDB), esteve, na tarde de ontem 11/09, na reunião da equipe revisora do Plano Diretor de Goiânia (PDG) que apresentou os temas que serão abordados nas próximas audiências públicas sobre o  documento. O encontro aconteceu no auditório da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh), pasta que coordena os trabalhos revisores. 

      Os vereadores Sabrina Garcez (PMB), Lucas Kitão (PSL) e Gustavo Cruvinel (PV)  participaram da reunião, que envolveu também profissionais de secretarias municipais como a Casa Civil, Procuradoria e Cultura. Estão previstas três audiências públicas denominadas "Goiânia do Futuro", no formato de oficinas com três dias de duração, cada uma, com atividades da manhã à noite, a serem realizadas até o fim do ano.  

      Andrey Azeredo e Sabrina Garcêz sugeriram a realização de mais audiências complementares, em parceria com a Câmara e com o apoio da equipe da Seplanh, para tirar dúvidas e debater com os parlamentares e a população. "Quanto mais pudermos discutir o Plano, melhor será. A equipe revisora é solícita e tem se desdobrado para atender a todos, mas há pontos que precisam ser discutidos exaustivamente com nós, vereadores, e com a sociedade em geral. Dessa maneira, profundamente esmiuçado, o projeto terá mais densidade quando for enviado à Câmara para a análise final", argumentou Andrey. 

      Momento único 

      Na visão do presidente Andrey, "esse é um momento único, a oportunidade de revisar o Plano que vai organizar e direcionar a Capital para um futuro de desenvolvimento democrático e planejado. O mundo inteiro está planejando as cidades com base na mobilidade e eu pergunto: temos um plano de desenvolvimento? E de transportes? O município vai intervir ou Goiânia continuará vendo crescer seu entorno desproporcionalmente?". Ele solicitou, ainda, que a linguagem usada no texto do projeto seja uniforme, clara e dentro dos padrões federais e da legislação específica para evitar possíveis conflitos de interpretação futuros.  

       As audiências serão organizadas em 5 eixos subdivididos em temas de grande relevância. No eixo socioambiental serão debatidos saneamento, áreas protegidas, gestão ambiental, poluição e mudanças climáticas. No eixo de 
ordenamento territorial serão tratados o perímetro urbano, a unidade territorial, o parcelamento do solo, os instrumentos urbanísticos e os vazios urbanos. Em mobilidade, acessibilidade e transporte serão analisados o planejamento e a adequação da rede viária básica, o transporte coletivo, o gerenciamento do trânsito e a acessibilidade universal. 

      Já no eixo de desenvolvimento serão debatidos o estímulo às atividades econômicas, o desestímulo às atividades informais, a base arrecadatória do município, o turismo e as atividades agropecuárias. E na área sociocultural os temas serão desenvolvimento social, promoção da moradia, equipamentos comunitários e segurança publica municipal. E no eixo de gestão urbana serão discutidos a região metropolitana, o sistema institucional e administrativo, a divulgação, monitoramento e fiscalização do Plano Diretor. 

      Texto final 

       O documento final da revisão do PDG terá que ser enviado à Câmara Municipal até 31 de dezembro. A equipe técnica é composta por 30 pessoas que já realizaram mais de 100 reuniões com diversas instituições. São profissionais da Seplanh que trabalham na revisão do PDG de 2007 conforme a Lei 171/07 e o Estatuto das Cidades, que determinam a revisão, a cada dez anos, do Plano. Já a Lei que instituiu o Plano Diretor de Goiânia, sancionada em 2007, determina a atualização dele a cada dois anos. 

 Em 2001, o governador Marconi teve a visão de futuro, já prevendo as dificuldades com o abastecimento de água de Goiânia, e projetou a construção da Barragem do João Leite e do Sistema Produtor de Água Mauro Borges

 

Por determinação do governador Marconi Perillo, desde o último sábado (9/9) a Estação de Tratamento de Água (ETA) Governador Mauro Borges entrou em funcionamento para complementar a produção de água tratada para Goiânia e região metropolitana. Antes atendidos pelo Sistema Meia Ponte, 41 bairros da Região Norte de Goiânia receberão um aporte na oferta de água em 1000 litros por segundo da nova Estação.

O início das operações na ETA Governador Mauro Borges estava previsto para o dia 19 deste mês, mas foi antecipado, a pedido do governador Marconi, com objetivo de minimizar os problemas decorrentes do déficit no abastecimento, causado pela escassez de chuva em Goiás e em toda a região central onde está o cerrado brasileiro. Uma segunda interligação deverá ocorrer até o final do mês de setembro, atendendo outros 70 bairros da Capital. Com isso, a tendência é que a água disponível no Meia Ponte seja suficiente para atender as regiões mais distantes.

O tratamento de água na nova estação começou a ser realizado às 16h40 da última sexta-feira (08), quando foram feitos os últimos ajustes. No entanto, a água tratada começou a ser distribuída para os reservatórios da Região Norte às 10h30 do sábado, atendendo a todos os parâmetros de potabilidade da água exigidos pela Portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde. Durante o final de semana, o abastecimento de água na Capital foi normalizando gradativamente. Nesta segunda-feira, (11/9), nenhuma reclamação de falta de água foi registrada pela Companhia.

 Oferta de água será duplicada - Projetado para produzir 21,6 milhões de litros de água por hora, o complexo irá praticamente duplicar a capacidade de produção atual. Com a sua entrada em operação e a e manutenção do atual Sistema Meia Ponte, será assegurado o abastecimento para toda a Região Metropolitana de Goiânia até o ano de 2040, quando estima-se que a população local chegará a cerca de três milhões de pessoas.

 A Saneago esclarece à população goiana, em função de uma enormidade de informações desencontradas sobre o novo sistema produtor Mauro Borges, que as obras dele foram realizadas em três etapas. Em 2001, o governador Marconi Perillo, antevendo as dificuldades com o aumento do consumo de água, projetou e definiu pela construção de mais esse reservatório, aproveitando a água do ribeirão João Leite.

A primeira, iniciada em 2002, foi a construção da Barragem do Ribeirão João Leite, que proporciona o armazenamento de 130 bilhões de litros de água, numa área inundada de 1040 hectares. Localizada a seis quilômetros de Goiânia, a represa é responsável por manter constante a vazão de água do ribeirão, que abastece 50% da população da Capital e também por melhorar a umidade do ar de Goiânia e cidades vizinhas.

 A segunda etapa das obras do novo sistema consistiu na construção da Estação Elevatória de Água Bruta, um projeto que previu a utilização da força da água do manancial para o acionamento das bombas que  conduzirão a água, através de uma adutora até a Estação de Tratamento de Água, localizada há pouco mais de dois quilômetros. A inovação tecnológica garantiu à Saneago o Prêmio Brasil de Engenharia de 2010 e o primeiro lugar em premiação concedida pela Eletrobrás/Procel/Abes em eficiência energética no saneamento, em 2009.

 A terceira etapa, que o Governo de Goiás entrega agora à população, é uma das mais modernas estações de tratamento de água da América Latina. A ETA Governador Mauro Borges, que passou nos últimos seis meses por uma fase de testes e, a partir da inauguração, fornecerá água para uma grande parte de Goiânia, como os bairros Jardim Guanabara e Negrão de Lima.

A nova ETA vai produzir, inicialmente, dois mil litros de água por segundo, com possibilidade de expansão para oito mil litros por segundo nos próximos anos, o que assegurará o abastecimento para Goiânia, Aparecida de Goiânia e toda a Região Metropolitana.

 

Governador se reuniu hoje com o ministro de Agroindústria da Argentina, Ricardo Buryaile, com quem conversou sobre fortalecimento da relação comercial bilateral e agronegócio

 

“Nosso estado está no Centro do Brasil, e o que temos aqui hoje é uma oportunidade histórica de aprimorar e melhorar nossas relações comerciais bilaterais”, afirmou o governador Marconi Perillo durante reunião na tarde de hoje com o ministro de Agroindústria da Argentina, Ricardo Buryaile, na sede do Ministério.   Acompanhado pela comitiva de integrantes do governo estadual e empresários, Marconi cumpriu o segundo dia de agenda na Argentina, segunda etapa da Missão ao Cone Sul. O ministro informou a ele que virá ao Brasil no dia 21, e que já pretende visitar Goiás.

Marconi falou ao ministro sobre o interesse do Governo de Goiás na ampliação e no fortalecimento das relações comerciais, ressaltando a diversificação da economia goiana, e o peso da produção agrícola do Estado. “Temos uma economia bastante diversificada. Produzimos e exportamos matérias-primas, mas também processamos essas matérias-primas e produzimos industrialmente outros produtos, entre eles automóveis. Hoje temos uma fábrica especializada na produção de colheitadeiras para cana de açúcar, exportada para o mundo todo”, exemplificou.

Na reunião com o ministro, também estavam presentes empresários argentinos. “Penso que a gente pode vender mais para a Argentina e comprar mais da Argentina. Eu sou um admirador desse País, e acredito que podemos ter muitas complementaridades. Goiás tem muito interesse em ampliar as relações com a Argentina”, reiterou Marconi, que também destacou a força econômica da região Brasil Central, o que os levou à discussão sobre a realização de uma rodada de negócios entre Goiás, Brasil Central e Argentina.

“Nosso foco sempre foi o agronegócio. Eu também presido o consórcio do Fórum dos Governadores do Brasil Central. Somos sete governadores de estados responsáveis por mais de 50% da produção agrícola e pecuária do País. Estados que ajudam o Brasil a sair da crise. São os estados que mais exportam, que mais geram superávit exportador, que mais produzem alimentos, que mais geram empregos, e também estão melhores no PIB”, informou. Eles também debateram interesses no mercado de grãos, peles, etanol e leite.

O ministro Ricardo Buryaile disse que era um orgulho receber o governador de Goiás e sua comitiva de empresários. “Agradecemos muito por essa visita, porque enxergamos que a vocação que temos é de nos integrarmos. Isso é comércio e relação bilateral. O crescimento do nosso povo é a missão que temos e que precisamos proporcionar. A relação do Brasil com a Argentina é excelente e histórica, e pode melhorar mais”, afirmou. 

A promotora de Justiça Leila Maria de Oliveira, titular da 50ª Promotoria de Goiânia, com atribuição na defesa do patrimônio público, recebeu nesta segunda-feira (11/9) o relatório conclusivo da Comissão Especial de Inquérito (CEI) do Transporte Coletivo da Câmara Municipal de Goiânia, entregue pelos vereadores Clécio Alves, que presidiu a comissão, e Anselmo Pereira, relator da CEI. Segundo os parlamentares, a integrante do Ministério Público de Goiás foi a primeira a ter acesso ao documento final, fruto de 120 dias de trabalho da Comissão Especial. O material contém, segundo destacado pelo relator, 18 itens propositivos, com sugestões de medidas que visam à melhoria do serviço de transporte coletivo na Região Metropolitana de Goiânia.

Ao receber o relatório, a promotora destacou que vai estudá-lo detalhadamente e extrair aquilo que o MP poderá cobrar a execução, visando assegurar o acompanhamento da implementação de melhorias em favor da população. Ela salientou aos parlamentares que espera contar com o apoio deles na busca pela efetivação das propostas. “Com o trabalho realizado pela CEI, deixei de ser uma voz solitária na cobrança por medidas concretas visando aprimorar o serviço prestado aos usuários”, ressaltou Leila Maria.

Os vereadores salientaram o fato de a promotora ter acompanhado a atuação da CEI desde o início, não só com a presença em reuniões, mas também com a apresentação de ideias e sugestões. Anselmo Pereira enfatizou que o objetivo do trabalho foi o de apresentar proposições concretas, que possam ser implementadas e resultem em impactos positivos para a comunidade. “Esse documento mostra que estamos querendo menos a judicialização da questão e mais o cumprimento de obrigações”, ponderou.

Clécio Alves sublinhou que a conclusão do trabalho da CEI não vai encerrar o acompanhamento da questão pelo Legislativo municipal, já que foi instituída uma comissão temporária, com atuação até 2020, para monitorar e cobrar o cumprimento das propostas feitas. Entre as ações que essa comissão deverá executar, explicou, está a realização de encontros com as prefeituras e Câmaras dos 18 municípios que integram a Região Metropolitana para debater as propostas de melhorias e definir estratégias para sua concretização. Nesses encontros, ele espera poder contar com a participação do MP.

Medidas propostas 
Entre as indicações e recomendações feitas, Anselmo Pereira destacou proposições como a auditoria nos contratos do transporte coletivo; o investimento na infraestrutura municipal, como a implementação de corredores exclusivos; a requalificação física e estrutural da Metrobus, e a atualização e ampliação da frota de veículos. Ele apontou como uma das sugestões mais relevantes a criação do Fundo Metropolitano de Transportes.

Leila Maria fez questão de pontuar a firmeza e a seriedade do trabalho realizado pela CEI, que, segundo salientou, poderá contribuir para a atuação do MP na fiscalização do serviço público prestado.

(Texto: Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

A publicação ressaltou as piscinas termais e os passeios ecológicos que a cidade oferece

Caldas Novas ganhou destaque nacional recentemente em uma publicação da revista Viagem e Turismo, da Editora Abril. A reportagem cita as cidades de Caldas Novas e Rio Quente, juntas, com o maior manancial hidrotermal do mundo, com seus parques aquáticos e piscinas de águas quentes, toboágua e praias artificiais. 

De acordo com a publicação, Caldas Novas garante a diversão para todos os públicos, adultos e crianças. “Quase todos os hotéis e condomínios de médio porte pra cima têm um parque com piscinas termais.” Citou a reportagem.

Porém a cidade não se resume apenas a clubes e piscinas, a revista reconhece o Parque Estadual da Serra de Caldas Novas como “antídoto” para quem cansou das águas termais. As trilhas levam até uma cascata de água fria para quem precisar se refrescar e a um mirante, de onde se pode ver o Rio Quente Resorts, do alto da Serra.

O Secretario de Turismo, Ivan García, felicita a reportagem da revista. “Apesar da fama nacional que a cidade tem, é sempre bom ver reportagens positivas destacando nosso município. É um estímulo para novos e velhos turistas conhecerem nossa cidade por inteiro. Esperamos ver cada vez mais esse tipo de notícia", ressaltou Ivan.

E essa não foi a única divulgação em que o Caldas Novas foi destaque. Recentemente, outras publicações de abrangência nacional falaram sobre a cidade, expondo inclusive fotos que revelavam a beleza e as virtudes do município.

Ações sociais e palestras vão tratar do assunto em Caldas Novas

A Praça Mestre Orlando se pintou de amarelo na manhã desta segunda-feira (11) para lembrar o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Um grupo de funcionários da Prefeitura de Caldas Novas, colaboradores e voluntários estiveram no local promovendo atividades de sensibilização, em apoio à campanha Setembro Amarelo, realizada em âmbito nacional. 

Os organizadores do encontro, que aconteceu em outros pontos do país, querem tirar o estigma e o preconceito que ainda existe sobre o tema. O objetivo é  usar informação como forma de prevenção. "Romper com o estigma é fundamental para salvar vidas”, orienta a coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial  - CAPS de Caldas Novas, a psicóloga Gizélia Custódio. 

A mobilização realizada na Praça Mestre Orlando é apenas umas das ações que acontecerão ao longo do mês. Dia 13/09 vai haver palestras, ministradas pela psicóloga e coordenadora dos CAPs em Caldas Novas, Gizelia Custódio e voluntários do Centro de Valorização à Vida, no plenário da Câmara Municipal a partir das 19hs. No dia 21/09 às 19hs, também na Câmara Municipal, a palestra fica a cargo do psiquiatra, Dr. Carlucio Costa.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 90% dos casos de suicídio estão ligados a alguma psicopatologia, facilmente tratável à medida que as pessoas acessam as informações sobre o problema.

A OMS indica que o Brasil registra 32 casos de suicídio por dia. A comunidade médica afirma que nove entre 10 casos podem ser evitados.  O índice de suicídios no país perde apenas para homicídios e acidentes de trânsito entre as mortes por fatores externos (o que exclui doenças). 

Em todo o mundo, entre os jovens, a morte por suicídio já é mais freqüente que por HIV. Entre idosos, assim como entre pessoas de meia-idade, as incidências também avançam.

Em entrevista a Agromundi, o pesquisador da Epamig, Júlio César de Souza, explicou quais medidas podem ser tomadas para evitar perdas
 
De acordo com estimativa da Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC), o País enfrenta o pior nível de infestação por broca-do-café registrada nos últimos anos. Segundo o levantamento da ABIC, a incidência da praga em diversas plantações brasileiras já chega a 20% da safra, acionando um sinal de alerta para toda a indústria local e produtores. A elevação da ocorrência do inseto nas plantações tem se intensificado desde a suspensão da utilização do Endosulfan (inseticida utilizado para combater o Hypothenemus hampei, nome científico da broca), em 2013.
 
Em entrevista a Web Rádio Agromundi, o pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Júlio César de Souza, explicou que, por muito tempo, o Endosulfan foi o único defensivo agrícola realmente eficiente contra a broca e, após sua proibição, os produtores tem apresentado dificuldades para enfrentar o problema, utilizando outros meios além do convencional. “Os cafeicultores se acostumaram com o uso de inseticidas e não estão habituados a realizar outras práticas para minimizar os impactos causados pelos insetos, fazendo com que a praga se espalhe ainda mais rápido”, declarou o pesquisador.
 
Para frear o avanço da broca, a Epamig tem realizado diversos estudos utilizando o defensivo Ethiprole, que deve ser utilizado durante o trânsito da broca-do-café. “Atualmente não existe mais nenhum outro inseticida sendo desenvolvido para o mercado que apresente a eficiência que as lavouras de café necessitam. E, apesar dos resultados positivos registrados nos testes, o Ethiprole ainda não foi aplicado no campo para confirmar sua eficácia, a previsão é de que ele possa ser utilizado a partir da próxima safra”, afirmou Júlio.
 
Sem um defensivo como solução, os produtores precisam praticar medidas alternativas para tentar minimizar ao máximo as perdas causadas pela broca. De acordo com Júlio César, existem algumas medidas bastante simples que devem ser adotadas, como a realização do repasse na colheita, eliminando todo o café que resta no chão e nas árvores, evitando a multiplicação do inseto nesses frutos. “Outra medida importante é criar um monitoramento das fases de desenvolvimento da broca, para que seja possível identificar exatamente a época em que a fêmea do animal está mais vulnerável, facilitando sua eliminação. A própria Epamig dispõe de uma planilha específica para essa finalidade, para ter acesso a ela o produtor precisa apenas acessar nosso site e realizar a consulta online”, indica Júlio.
 
Para mais informações sobre como minimizar os impactos da broca-do-café e ouvir a entrevista completa com o pesquisador Júlio César de Souza, basta acessar o portal Agromundi (http://www.agromundi.com.br/), e clicar na aba “Podcast”.
 

Os 25 anos da Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429, de 1992) serão lembrados pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) com a realização de um seminário nesta sexta-feira (15/8), organizado em parceria com o Instituto de Direito Administrativo de Goiás (Idag) e a Escola Superior de Advocacia (ESA), da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Goiás (OAB-GO). O evento, no auditório da sede do MP, é voltado à comunidade jurídica em geral, que poderá debater a temática em palestras e painéis.

Com a abertura pelo procurador-geral de Justiça, Benedito Torres Neto, o seminário terá conferência magna, a ser feita pelo advogado Fábio Medina Osório, enfocando o tema O Ministério Público e o Combate à Improbidade Administrativa no Brasil, a partir das 9 horas. Fábio Medina é presidente executivo do Instituto Internacional de Estudos de Direito do Estado (IIEDE) e foi promotor no Rio Grande do Sul por mais de 14 anos.

A programação prevê ainda dois painéis e mais duas palestras. Entre os palestrantes dos painéis estão dois promotores de Goiás: o coordenador do Centro de Apoio Operacional de Combate à Corrupção e Defesa do Patrimônio Público, Bruno Barra Gomes, e Marlene Nunes Freitas Bueno, da 89ª Promotoria de Goiânia (confira aqui a programação). As inscrições para o seminário estão abertas no site do MP (clique aqui ).

(Texto: Assessoria de Comunicação Social do MP-GO )

O governador Marconi Perillo deu início ontem, 10, à segunda etapa da Missão Comercial do Governo de Goiás no Cone Sul, com reunião, em Buenos Aires, com o embaixador do Brasil na Argentina, Sérgio França Danese. Nesta segunda-feira, Marconi e a delegação de empresários goianos apresentam as potencialidades da economia do Estado a autoridades e empresários argentinos.

Marconi abriu a missão ao Cone Sul pelo Uruguai, onde se reuniu com autoridades e empresários do país sul-americano em Montevidéu. A agenda oficial segue até a próxima quarta-feira, 13, quando o governador estará em Assunção, capital do Paraguai. 

Na primeira etapa da Missão Comercial, que começou no último dia (8), o governador Marconi Perillo estabeleceu termo de cooperação com o Governo do Uruguai nas áreas de educação, cultura e turismo. 

A Missão Comercial ao Cone Sul integra a agenda econômica de apresentação das oportunidades de investimentos em Goiás para companhias e investidores estrangeiros, que tem garantido ao Estado a atração de novos empreendimentos, com geração de empregos, mesmo durante a crise econômica nacional.

O empresário Joesley Batista e o ex-executivo da J&F Ricardo Saud se entregam por volta das 14h15 à Polícia Federal (PF), em São Paulo. A informação foi confirmada pela assessoria da companhia. A prisão temporária foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O pedido de prisão foi feito depois de Janot concluir que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos. A conclusão de que os delatores omitiram informações passou a ser investigada pela PGR a partir de gravações entregues pelos próprios delatores como complemento do acordo.

A PGR também pediu a prisão do ex-procurador da República Marcelo Miller, mas Fachin disse que não há elemento indiciário com a consistência necessária à decretação da prisão temporária.

Fachin havia determinado que o cumprimento dos mandados ocorressem com a “máxima discrição e com a menor ostensividade”, evitando o uso de algemas, pois não se trata de pessoas perigosas. “Deverá a autoridade policial responsável pelo cumprimento das medidas tomar as cautelas apropriadas, especialmente para preservar a imagem dos presos, evitando qualquer exposição pública”, diz a decisão.

No sábado (9), a defesa do grupo J&F colocou à disposição os passaportes do empresário Joesley Batista e do ex-diretor de Relações Institucionais da holding Ricardo Saud. A defesa do ex-procurador Marcelo Miller também colocou os documentos dele à disposição.

Defesa

A defesa do empresário Joesley Batista e do ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud contestou, por meio de nota, que eles tenham mentido ou omitido informações no processo que levou ao acordo de delação premiada.

“Em todos os processos de colaboração, os colaboradores entregam os anexos e as provas à Procuradoria [Geral da República] e depois são chamados a depor. Nesse caso, Joesley Batista e Ricardo Saud ainda não foram ouvidos”, diz a nota.

A defesa relembra que, no dia 31 de agosto, cumprindo o prazo do acordo, foi entregue à PGR, além dos áudios, anexos complementares para compor a delação. Os advogados apontam ainda que eles aguardam para serem ouvidos.

“O empresário e o executivo enfatizam a robustez de sua colaboração e seguem, com interesse total e absoluto, dispostos a contribuir com a Justiça”, afirma a defesa.

Advogado

O advogado de Joesley e Saud, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, divulgou uma nota afirmando que os delatores cumpriram rigorosamente tudo o que lhes era imposto ao assinarem o acordo de delação premiada.

“Não pode o Dr. Janot [Rodrigo Janot, procurador-geral da República] agir com falta de lealdade e, insinuar que o acordo de delação foi descumprido. Os clientes prestaram declarações e se colocaram sempre à disposição da Justiça. Este é mais um elemento forte que levara a descrença e a falta de credibilidade do instituto da delação”, disse o advogado, em defesa da revisão do uso do instituto de delação premiada.

As missões comerciais realizadas pelo governador Marconi Perillo para promover o relacionamento do setor produtivo de Goiás no exterior vêm garantindo o crescimento econômico e a geração de empregos no Estado. Dados das federações e associações empresariais e das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico (SED) e Gestão e Planejamento (Segplan) mostram que os investimentos estrangeiros confirmados no Estado ultrapassam os R$ 4 bilhões nos últimos 22 meses terminados em julho, com projeção de geração de 34 mil empregos diretos e indiretos longo dos próximos anos.

As Missões Comerciais realizadas pelo Governo de Goiás são parte da política estadual de estímulo ao desenvolvimento econômico e acumulam resultados expressivos para o crescimento do Estado nas duas últimas décadas. Esses resultados são demonstrados pela evolução dos números do Produto Interno Bruto (PIB), da balança comercial, da geração de empregos e da expansão do total de países com os quais Goiás mantém fluxo de comércio.

Nesse período, o PIB cresceu dez vezes, de R$ 17,4 bilhões em 1998 para R$ 178 bilhões em 2016. A balança comercial, por sua vez, cresceu 2,3 vezes entre 2005 e 2015, de US$ 1,093 bilhão para US$ 2,515 bilhões. O número de países para os quais Goiás exporta seus produtos cresceu duas vezes e meia, de cerca de 50 em 1998 para 145 nações em 2015.

China, Holanda, Índia, Rússia, Coreia do Sul, Irã, Estados Unidos, Hong Kong, Vietnã e Itália são os principais destinos das mercadorias de Goiás, exatamente os países priorizados pelas principais missões comerciais empreendidas. O saldo da balança comercial é positivo para Goiás, com os valores exportados superando o total de importações, evidenciando a força da economia do Estado e o resultado do estímulo do Governo de Goiás à promoção do comércio exterior.

Entre os maiores investimentos estrangeiros anunciados para o Estado nos últimos meses estão Heineken, Caracal, Gerresheimer, Orico Gold, Anglo e Heinz, todos resultados das missões comerciais realizadas pelo Governo de Goiás. É o caso também de Hyundai, Suzuki e da ampliação da Mitsubishi.

Reportagem publicada em março pelo jornal O Popular mostrou que, 2016, Goiás ficou na 5.ª posição entre os Estados que mais ampliaram o número de empresas que passaram a exportar seus produtos para o exterior: "353 empresas de Goiás, de todos os tamanhos e setores, venderam para todos os cantos do mundo, 70 a mais que em 2015", afirmou a reportagem.

"Os números colocaram Goiás no quinto lugar no mapa de novas empresas exportadoras do País, ficando atrás apenas de Rio Grande do Sul e Santa Catarina (58), São Paulo (52) e Minas Gerais (48)", afirmou a reportagem, que relata ainda que "por estas razões, as missões internacionais são consideradas vitrines pelos empreendedores".

A reportagem indica que as missões comerciais criam oportunidades de negócios não apenas para aqueles empresários que integram as delegações, mas também para outras empresas instaladas em Goiás, que acabam por se tornar conhecidas como resultado da apresentação das potencialidades do Estado pelo governo no exterior.

Em 2015, no auge da crise, o comércio exterior garantiu que a balança comercial goiana fechasse o ano com o segundo maior saldo da década. As exportações somaram US$ 5,8 bilhões e as importações US$ 3,3 bilhões de dólares no ano passado. O saldo de 2,51 bilhões de dólares (diferença entre exportações e importações) só ficou atrás do de 2014, quando foram registrados 2,56 bilhões de dólares (variação de apenas 1,7% ou US$ 500 mil). Com isso, Goiás representou 12,7% do saldo nacional, de quase US$ 20 bilhões.

O resultado da balança comercial é reflexo do avanço da economia goiana. Avaliação sobre o Estado divulgada no boletim regional do Banco Central indica que o Produto Interno Bruto (PIB) goiano cresceu, em média, 4,8% ao ano de 2005 a 2014, diante do aumento médio de 3,4% do nacional. O desempenho foi atribuído ao comércio, indústria de transformação (biocombustíveis, alimentos e vestuário) e setor de serviços (transporte e prestadoras de serviços a empresas).

Em 2015, a análise mostra que o PIB goiano cresceu 0,5% no período de 12 meses encerrado em junho, enquanto o País registrava retração de 1,2%. A participação goiana no PIB do Brasil também foi destacada pelo BC, passou de 2,5%, em 2004, para 2,8% em 2012 – último dado do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre 2015 e 2004, o crescimento da produção industrial foi de 43,7% , enquanto que no País o aumento foi de 9,3%. A evolução foi sustentada em grande parte pela indústria alimentícia, principal alvo das missões comerciais. Outro destaque foi a participação da indústria química e farmacêutica que juntas representam mais de 8% no Valor da Transformação Industrial (VTI). 

Outro segmento de destaque, como resultado das missões comerciais, são os investimentos em mineração, que anunciaram em abril deste ano investimento de R$ 2,3 bilhões em Goiás. O incremento da produção é resultado da demanda estrangeira, impulsionada pela divulgação do setor mineral de Goiás no exterior.

Acontece amanhã,  segunda-feira (11), às 14 horas na Assembleia Legislativa a audiência publica que discutirá o projeto de lei nº 367/2017 que converte gastos de segurança privada em abatimento no ICMS. As empresas poderão abater até 50% do seu investimento em segurança privada no valor devido no ICMS. 

De acordo com levantamento preliminar, em locais onde existem segurança privada os números de violência e criminalidade são menores do que aqueles desprovidos deste serviço.

Segundo Santana, com o aumento dos serviços de segurança privada a necessidade de mão de obra na atividade irá aumentar, portanto mais pessoas poderão ser empregadas e com isso a economia acabará crescendo gradativamente. Por outro lado, apesar dessa redução do ICMS representar uma diminuição na receita, irá refletir no aumento do consumo, aumentando o consumo, consequentemente a arrecadação de impostos em cima das mercadorias também aumentará.

De acordo com a SSP , secretaria de segurança publica , apesar dos índices  de criminalidade estarem diminuindo, a população goiana se sentirá ainda mais segura com esses profissionais da segurança privada nas empresas, uma vez que, com os estabelecimentos protegidos , a PM poderá direcionar suas atenções para os locais com maiores necessidades. “Graças a forte atuação da Polícia Militar o índice de criminalidade vem diminuindo, contudo com a aprovação desse projeto de lei, os donos de empresas e funcionários poderão estar mais seguros em seus estabelecimentos”, comentou o Deputado Santana.

No primeiro compromisso da Missão Comercial do Governo de Goiás, governador e Ministério da Educação e Cultura do Uruguai firmam parceria para intercâmbio de estudantes, ensino de língua inglesa, formação de professores e aproximação de orquestras sinfônicas


 No primeiro compromisso da Missão Comercial no Cone Sul, o governador Marconi Perillo estabeleceu, em Montevidéu, termo de cooperação com o Governo do Uruguai nas áreas de educação e cultura. A parceria vai promover o intercâmbio de estudantes, por meio do Goiás Sem Fronteiras, formação de professores, ensino da língua inglesa e a aproximação das orquestras sinfônicas do país sul-americano e do Estado.

Marconi foi recebido na manhã desta sexta-feira pela subsecretária de Educação e Cultura do Uruguai, Edith Morais, para discutir os termos da cooperação. Acompanhado da secretária de Estado de Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, o governador apresentou os números e os avanços da educação formal, superior e profissional do Estado e manifestou o interesse das instituições de ensino nas três áreas em estreitar os laços com o Uruguai. Os secretários da Fazenda, João Furtado, e de Gestão e Planejamento, Joaquim Mesquita, que compõem a comitiva, também participaram.

A subsecretária afirmou que a equipe do Ministério de Educação e Cultura do Uruguai ficou "muito impressionada" com o avanço de Goiás na educação, especialmente no que se refere à melhoria do ensino aprendizagem. "Temos muito a cooperar em função das transformações que estamos vivendo na Educação, para que, juntos, possamos oferecer a oferecer o melhor ensino", disse Edith Morais. Ela citou a intenção do governo uruguaio de trabalhar em conjunto no educação básica, com destaque para o ensino de inglês e a formação de professores, além dos investimentos para o emprego das novas tecnologias de informação e comunicação nas escolas.

A subsecretária e o governador também abriram a agenda de cooperação para que as Orquestras Sinfônicas do Uruguai e de Goiás aproximem seus músicos e direções para a formulação de um calendário de concertos nos dois países. Marconi apresentou para Edith Morais os investimentos para criação e formação da Orquestra Filarmônica do Estado de Goiás e para a Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de Goiás, destacando que ambas têm mantido calendário frequente de apresentações em diversos países ao redor do mundo.

Mais cedo, Marconi teve reunião com o diretor nacional de Turismo do Uruguai, Carlos Fagetti, e com a diretora-geral Hyara Rodri?guez. No encontro, Marconi destacou as potencialidades e oportunidades turísticas de Goiás, e assinou protocolo para intercâmbio turístico entre Uruguai e os Estados do Brasil Central, com destaque para Goiás, além de debater o combate ao turismo sexual e tráfico humano.

Goiás mantém bom fluxo de turistas para o Uruguai, movimento que cresceu nos últimos anos, e o governador quer aumentar a vida de uruguaios para o Estado, especialmente para o setor do ecoturismo, que desperta grande interesse entre os uruguaios.

Marconi comanda até o próximo dia 13 Missão Comercial do Governo de Goiás no Cone Sul. Marconi e comitiva vão aos países vizinhos Uruguai, Argentina e Paraguai para apresentar as potencialidades da economia do Estado para autoridades, empresários e investidores dos três países sul-americanos. A Missão Comercial ao Cone Sul integra a agenda econômica de apresentação das oportunidades de investimentos em Goiás para companhias e investidores estrangeiros, que tem garantido ao Estado a atração de novos empreendimentos, com geração de empregos, mesmo durante a crise econômica nacional. 

O objetivo da missão nos países sul-americanos é aprofundar as relações comerciais com os três países, especialmente nas áreas relacionadas ao agronegócio. A agenda de trabalho de Marconi começou nesta sexta-feira em Montevidéu, no Uruguai, e ainda inclui reuniões na Câmara de Comércio (16h), na Câmara da Indústria (16h45) e Encontroo de Negócios entre empresários de Goiás e do país sul-americano (19h). No sábado, 8, Marconi vai à Expo Prado 2017 e, logo após, segue para a Argentina, para a segunda etapa da Missão Comercial do Governo de Goiás no Cone Sul.

Na segunda-feira, em Buenos Aires, Marconi tem reunião de trabalho com o presidente da Agência Argentina de Investimentos e Comércio Internacional, Juan Pablo Trípoli.  Em seguida, será recebido pelo secretário de Relações Econômicas Internacionais, embaixador Horacio Reyser Travers. À tarde, às 17h45, Marconi recebe da Legislatura de Buenos Aires o título de Hóspede de Honra da Cidade de Buenos Aires.

Na terça-feira, 11, Marconi comanda o Encontro de Integração Goiás-Argentina, que será realizado na Embaixada do Brasil mem Buenos Aires entre 9h30 e meio-dia. O governador vai apresentar as potencialidades da economia de Goiás, com as oportunidades de investimentos no Estado, e os secretários de Fazenda, João Furtado, Gestão e Planejamento (Joaquim Mesquita), e Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, que integram a comitiva, vão falar sobre os programas e ações de governo em suas áreas, com destaque para o desenvolvimento econômico e humano de Goiás.

No final do dia de terça-feira, 11, o governador segue para a terceira e última etapa da missão, em Assunção, no Paraguai. Na manhã de quarta-feira, 13, Marconi apresenta as potencialidades de Goiás na Câmara de Comércio Brasil-Uruguai, depois e recebido no Ministério da Indústria e Comércio do Paraguai e, logo após, pela União Industrial Paraguaia, onde também fala sobre as oportunidades de negócios entre Goiás e o país sul-americano.