Sidebar

21
outubro sbado

Em reunião de avaliação do programa Goiás Mais Competitivo, o governador Marconi Perillo solicitou, na manhã de hoje aos executivos públicos, maior detalhamento dos projetos que compõem a carteira do programa e reforçou o pedido de empenho. O encontro, realizado na Sala de Situação do Governo, no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico, em Goiânia, contou com participação de todo o secretariado.

O Goiás Mais Competitivo foi lançado em novembro de 2015 pelo governo estadual com o objetivo de criar uma agenda de atuação governamental para inserir o Estado de Goiás entre os mais competitivos do Brasil. Para isso, a execução dos projetos em todas as suas áreas finalísticas e a situação dos principais indicadores são acompanhadas por meio de uma central, com painéis interativos e dados em tempo real.

O diagnóstico situacional já foi concluído. A consultoria Macroplan, acompanhada pela Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), analisou indicadores do Estado, sendo 77 aprofundados, principalmente das áreas da saúde, educação e segurança. Deste estudo, saíram 15 programas prioritários. Agora, a maioria das ações que vai dar vida aos programas prioritários junto às áreas fins está em fase de execução.

Marconi ressaltou que a reunião tem por objetivo realizar ajustes para vencer os desafios que estão colocados. Ele ainda pediu ao secretariado maior detalhamento dos projetos em fase execução pelas pastas, com periodicidade mensal. “Precisamos de um detalhamento, em nível de atividade, para garantir intervenções tempestivas, antes que os problemas ocorram. É preciso especificar todos os planos e resultados, mesmo que estes, a princípio, estejam no vermelho”, frisou.

Destacou como positivo o trabalho das secretarias de Educação e Saúde no detalhamento de suas atividades. Na Segurança, Marconi disse que o secretário José Eliton começa a colher respostas. Na área de Infraestrutura, apesar da falta de recursos no ano passado, melhoria da malha rodoviária, aeroportos e saneamento básicos estão avançando. “A CGE e SED ainda precisam detalhar mais seus projetos”, avaliou.

“No geral, todos os executivos estão trabalhando para atingirmos os resultados do Goiás Mais Competitivo. Mas agora é hora de nos dedicarmos mais ainda”, observou. Ele disse que o Inova Goiás se soma a este programa para diminuir os efeitos da crise econômica que atravessa o País e colocar como um dos maiores casos de sucesso de competitividade. “Isso levará Goiás a colher bons resultados”, avaliou.

A diretora geral do Grupo Executivo de Enfrentamento às Drogas (GEED) Ivânia Fernandes, será empossada como presidente do Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas, juntamente com os demais membros representantes de 18 órgãos estaduais, instituições e membros civis que compõem o Conselho, para o período de 2016/2018. Ivânia Fernandes que é a atual presidente foi reconduzida ao cargo através de votação realizada em 31 de agosto de 2015.


O Conselho é um colegiado consultivo e deliberativo e jurisdicionado à Secretaria Cidadã. Sua competência tem os propósitos de propor a política estadual de entorpecentes, elaborar planos, exercer orientação normativa, coordenação geral, supervisão, controle e fiscalização das atividades relacionadas com o tráfico e uso de entorpecentes e substâncias que determinem dependência física ou psíquica, e exercer outras funções em consonância com os objetivos do Sistema de Prevenção e Repressão de Entorpecentes.


Compõem o Conselho representantes dos seguintes órgãos e instituições: Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária, Secretaria da Saúde, Secretaria Cidadã, Secretaria Estadual de Educação Cultura e Esporte, Secretaria Municipal da Saúde de Goiânia, Tribunal de Justiça, Ministério Público, Superintendência da Polícia Federal em Goiás, Polícia Militar de Goiás, Delegacia Estadual de Combate a Tóxicos e Entorpecentes, Conselho Comunitário de Segurança, Projeto Maçonaria Contra as Drogas, Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás, entidade filantrópica que atua na área de dependência química, educador emérito de ampla e reconhecida atuação na prevenção e no uso indiscriminado de drogas, Rotary Club Distrito 4770, Federação Espírita de Goiás.

Foi realizada na última quinta-feira, 16 de maio, Sessão Solene de Entrega de Moção de Congratulação para 12 policiais militares da reserva. Os homenageados foram agraciados no Plenário da Câmara Municipal de Morrinhos, com as devidas honrarias, da propositura do Vereador Dorvil Gonçalves Leite e a coautoria dos demais parlamentares da Casa de Leis. O prefeito Rogério Troncoso também prestigiou o evento.

A moção foi conferida em reconhecimento aos serviços que os militares prestaram por muitos anos, no 1º Destacamento de Polícia Militar Rodoviária de Goiás, na área de segurança pública, respectivamente, e ainda, pela dedicação, competência e objetividade empregadas no trânsito e no exercício de suas atividades voltadas para a segurança dos cidadãos morrinhenses.

Entre os homenageados estavam: 1º Sargento Gilserone Ferreira Olerante; 1º Sargento José Aparecido dos Reis; 1º Sargento Perjosino Pereira dos Santos; 1º Sargento Braz Abreu de Oliveira; 2º Sargento Manoel Francisco dos Santos; 1º Sargento Antonino Alves Gomes; 2º Sargento Adelino Dias dos Santos; 3º Sargento Maurinho Leal de Souza; 3º Sargento João Osvaldo Cândido de Oliveira; 2º Sargento Luiz Roberto da Cunha; 3º Sargento Eurico Cândido da Silva; e 2º Sargento José Alves Gomes.

O autor da Moção parabenizou os policiais militares da reserva e não poupou elogios aos mesmos: “Em primeiro lugar, este evento é de respeito e admiração por vocês militares da reserva remunerada que dedicaram suas juventudes para protegerem o cidadão morrinhense. O trabalho e a função que exerceram são motivos de orgulho para todos! Vocês foram e continuam sendo soldados de Cristo diante da sociedade e suas complexidades, além de dignos do reconhecimento público. Parabéns a cada um de vocês! Que Deus os abençoe!”, declarou o vereador Dorvil Leite.

É durante o período mais frio do ano, quando o ar seco e o aumento da poluição são mais presentes, que a asma e as outras doenças respiratórias aparecem com maior frequência. Nessa terça-feira, dia 21 de junho, primeiro dia oficial do inverno, é também celebrado o Dia Nacional de Prevenção à Asma. Com o intuito de orientar a população sobre a doença, o Hospital Alberto Rassi – HGG promove uma ação aberta à comunidade disponibilizando serviços gratuitos como aferição de pressão, cálculo do IMC e orientações com pneumologistas e equipe multidisciplinar.

O evento acontece em uma tenda montada no estacionamento da unidade das 8 às 12 horas. Além da distribuição de panfletos, também haverá esclarecimento sobre os efeitos prejudiciais do ácaro no organismo. A equipe de fisioterapia do hospital dará dicas de exercícios para facilitar a respiração, já que muitas vezes os asmáticos respiram pela boca de forma superficial e sofrem com as constantes faltas de ar. Nutricionistas também estarão à disposição para orientar sobre os alimentos que podem atrapalhar a saúde dos pulmões e consequentemente ocasionar crises de asma.

O que é
Doença crônica que afeta as vias respiratórias e o pulmão, a asma atinge 6,4 milhões de brasileiros acima de 18 anos, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) do Ministério da Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada em 2015. Responsável por mais de 100 mil internações no SUS, seus principais sintomas são dificuldade respiratória (falta de ar), tosse seca, chiado ou ruído no peito e ansiedade. Os problemas ocorrem porque os brônquios do asmático são mais sensíveis e tendem a reagir de forma mais abrupta quando há exposição aos diferentes desencadeadores da doença: frio, mudança de temperatura, fumaça, ácaros ou fungos, e até mesmo odores fortes.

Serviço:
O QUÊ: Médicos orientam gratuitamente sobre asma
QUANDO: 21/06/2016 (terça-feira)
HORÁRIO: 8 às 12 horas
LOCAL: Estacionamento do Hospital Alberto Rassi - HGG

Fiscais da Secretaria das Cidades e Meio Ambiente (Secima), apreenderam nos rios (Araguaia, Tesoura e Crixás) e lagos localizados nos municípios de Nova Crixás e Mozarlândia, 70 quilos de pescados e grande quantidade de material predatório como redes, tarrafas e espinheis.

Os fiscais estão de olho em pescados transportados irregularmente contrariando a Lei da Cota Zero, material predatório e licença de pesca.

Cota Zero: Uma instrução normativa, assinada no mês de abril, pelo secretário das Cidades e Meio Ambiente (Secima), Vilmar Rocha, prorrogou por mais três anos a Lei da Cota Zero, proibindo o transporte de peixes no Estado de Goiás.
A fiscalização ambiental está sendo feita de forma constante nos cinco postos de fiscalização no Vale do Araguaia.

Gestão administrativa de qualidade e o desenvolvimento econômico de Goiânia foram pautas levantadas pelo pré-candidato a prefeito da capital, deputado federal Giuseppe Vecci (PSDB), na noite de sexta-feira (17), no Clube Cruzeiro do Sul, em Goiânia, durante reunião com o grupo político do presidente da Câmara Municipal, vereador Anselmo Pereira. Para quase 500 pessoas presentes no evento, o tucano destacou que uma de suas propostas é o fortalecimento do empreendedorismo da cidade como forma de gerar emprego e renda.

“Precisamos lutar para tornar Goiânia um município exemplar, empreendedor, para gerar emprego, gerar renda e, assim, garantir maior desenvolvimento econômico para cada cidadão e para a própria cidade”, afirmou Vecci.

“O que desejamos é que Goiânia funcione bem. Queremos uma cidade que proporcione qualidade de vida aos seus moradores. Queremos retomar o orgulho de cada cidadão em residir na nossa bela, porém maltratada capital”, disse ainda Vecci. O pré-candidato ressaltou a importância da gestão compartilhada e do bom relacionamento com os vereadores da Câmara de Goiânia para que os projetos sejam desenvolvidos.

O vereador Anselmo Pereira reiterou os posicionamentos levantados por Vecci e externou, mais uma vez, seu apoio à pré-candidatura do parlamentar. “Vecci está extremamente preparado para mudar a concepção de administrar Goiânia”, garantiu. O vereador contou um pouco mais sobre suas expectativas para a futura gestão da capital: “Goiânia precisa de um gestor que, além de planejamento, saiba construir programas de qualidade e executá-los junto à sociedade.”

Anselmo Pereira se pronunciou também acerca da disputa eleitoral no município. “O próximo pleito será uma disputa entre o populismo e o planejamento; a demagogia contra a gestão de qualidade”, concluiu.

Também estiveram presentes na reunião o presidente do PSDB Metropolitano, Rafael Lousa, o presidente do PSDB Jovem de Goiânia, Sérgio Bogado, dentre outras autoridades políticas.

O ajuste fiscal promovido pelo governador Marconi Perillo nas contas públicas do Estado foi apresentado como referência para o País em reportagem da Globo News veiculada na noite de sexta-feira (17/6) no telejornal Globo News Em Pauta. Ao abordar a crise financeira atravessada pelo Estado do Rio de Janeiro – que ontem decretou situação de calamidade pública em função da forte queda na arrecadação por conta da crise econômica nacional e da crise na Petrobras –, a jornalista e comentarista de economia Mara Luquet citou o Governo de Goiás como modelo de administração estadual que adotou enfrentou o custo político e atuou de forma antecipada para aplicar as medidas de redução de gastos necessárias para manter suas obrigações em dia.

Mara Luquet elogiou as ações implementadas pelo governador Marconi Perillo e afirmou que as contas do Estado de Goiás estão em ordem porque a administração se antecipou à crise e fez um severo ajuste nas despesas levando em conta o cenário de crise e a tendência de crescimento das despesas. Segundo ela, se outros Estados, como o Rio de Janeiro, tivessem feito o mesmo, a situação fiscal atual dessas unidades da federação seria mais confortável. "Eu conversei com a secretária de Fazenda de Goiás, a Ana Carla (Abrão) Costa e ela me relatou que em Goiás foi feito um ajuste fortíssimo", disse a jornalista.

Mara Luquet afirmou que o governador Marconi Perillo teve "a coragem necessária para enfrentar a crise financeira", porque promover ajustes nas contas públicas "tem custo político", especialmente em função da "pressão dos servidores por aumentos salariais". A jornalista lembrou, no entanto, que o Governo de Goiás encarou o desafio e promoveu o ajuste, que só foi possível graças "à determinação da secretária de Fazenda" e de todo o governo. "É importante [que os outros Estados observem esse modelo] pois também terão que passar por essa reestruturação", afirmou Luquet.

A jornalista ressaltou ainda que sem essas ações, que permitiram o maior ajuste fiscal proporcional do País, Goiás estaria em situação semelhante à de outros Estados, como é o caso de Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Mara Luquet esteve em Goiânia participando de um congresso sobre universidades de negócios promovido por instituição de ensino superior do Estado conveniada à Fundação Getúlio Vargas (FGV). Na quinta-feira, em seu comentário diário no Jornal da CBN, transmitido de São Paulo para toda a rede da emissora de rádio, Luquet já havia relatado o ajuste feito pelo Governo de Goiás nas contas públicas.

À CBN, Mara Luquet destacou as medidas adotadas pela Secretaria da Fazenda de Goiás, por determinação do governador Marconi Perillo, e o empenho da secretária Ana Carla Abrão, para aplicar as medidas a partir de janeiro do ano passado. Com uma frustração de receitas de mais de R$ 3,3 bilhões, o Estado tomou as atitudes corretas para economizar e evitar uma situação de colapso, avaliou Mara, que completou dizendo que o ajuste de Goiás foi interessante porque mirou investimentos e despesas com pessoal (que apresentaram crescimento vegetativo de 6% no período), mesmo correndo "alto custo político". Ela ponderou que “atacar isso é um desafio”.


Reforma de Marconi foi a maior feita no País
O ajuste nas contas do Governo de Goiás foi definido pelo governador Marconi Perillo ainda em novembro de 2014, quando surgiram os primeiros sinais da forte crise econômica que se abateria sobre o País a partir do ano seguinte. Na ocasião, o governador encaminhou para apreciação e votação na Assembleia Legislativa um conjunto de medidas de contenção de despesas que estabeleceu a redução do número de secretarias de 16 para 10, a extinção de 5 mil cargos comissionados e a suspensão de 6 mil contratos temporários.

As medidas permitiram que o Estado mantivesse em dia o pagamento de contratos, a continuidade dos investimentos e a regularidade da folha do funcionalismo, quitada rigorosamente dentro da lei. Paralelamente, Marconi determinou um forte ajuste nos custos com manutenção da máquina administrativa, especialmente com diárias de viagens, telefones, energia elétrica, alugueis e materiais de consumo em geral.

As primeiras medidas, como a redução de secretarias e extinção de cargos, passaram a vigorar em 1.º de janeiro de 2015, primeiro dia do quarto mandato do governador e apontavam para uma redução geral de R$ 1 bilhão nas despesas. Em março, reportagem do jornal Folha de S.Paulo comparou as medidas de ajuste realizadas pelos governadores e Goiás surgiu como o Estado que mais reduziu o tamanho da máquina e como tendo promovido o maior corte de despesas.

Em abril e maio, a crise econômica nacional se agravou e o governador Marconi Perillo determinou novo aperto no cinto das despesas públicas. A pedido do Poder Executivo, a Assembleia Legislativa aprovou o chamado Orçamento realista, que revia os valores dos contratos de prestação de serviços sem prejuízo para as atividades essenciais, como os investimentos em Educação, Segurança e Saúde. As medidas permitiram o redimensionando das despesas com vistas à manutenção dos investimentos.

Diante do impacto das medidas, o governador sempre afirmou que eles garantiriam que Goiás atravessasse a crise com mais tranquilidade que outras unidades da federação e preparariam o Estado para a retomada do crescimento. "Demoramos mais a entrar na crise e vamos sair dela mais cedo, retomando o crescimento acelerado e acima da média que alcançamos nos últimos anos", afirmou o governador em entrevistas ao comentar as medidas em implantação. "Eu sou um otimista, sempre acredito que vamos superar os obstáculos e alcançar os resultados que traçamos, mas, nestes dias, estou ainda mais animado e motivado, porque o horizonte para Goiás é muito positivo", disse o governador em uma das ocasiões

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) instaurou procedimento para apurar ações ou omissões ilícitas da Universidade Federal de Goiás (UFG) quanto a agressões e ameaças sofridas por profissionais de imprensa durante a cobertura de protesto ocorrido na última quarta-feira (15), feito por estudantes, no campus Samambaia daquela universidade. A manifestação ocorreu após divulgação de um suposto caso de estupro sofrido por uma aluna.

De acordo com notícia veiculada pela imprensa, repórteres e cinegrafistas de diversos veículos de comunicação foram hostilizados pelos estudantes durante o protesto, inclusive impedindo a gravação de entrevista com o vice-reitor da universidade. Uma repórter chegou a declarar, em entrevista a um jornal local, que precisou ser escoltada por alguns estudantes para fora da reitoria a fim de evitar que fosse agredida por manifestantes mais exaltados.

O procurador da República Ailton Benedito, responsável pelas apurações, expediu ofício a três veículos de comunicação que estiveram no protesto, solicitando as gravações feitas no local. Já à UFG, o procurador pede informações pormenorizadas a respeito do ocorrido, bem como sobre as providências que estão sendo tomadas pela instituição com o objetivo de identificar e sancionar todos os responsáveis pelo episódio.

O pré-candidato a prefeito de Goiânia pelo PSB, Vanderlan Cardoso, disse ontem que a Secretaria Municipal de Trânsito (SMT) da prefeitura está desviada de sua função precípua que é ordenar o trânsito já caótico na capital. Segundo ele, a diretoria da SMT tornou-se um covil de gente com pouca ou nenhuma experiência no assunto, nomeados tão somente para atender a interesses fisiológicos de acordos políticos que não levam em conta os interesses da população.

Vanderlan participou de uma reunião com integrantes do Sindicato dos Agentes de Trânsito de Goiânia (Sinatran) para ouvir as demandas dos profissionais e saiu com muitas ideias para melhorar a gestão do trânsito na cidade. Além da despolitização, Vanderlan disse que vai trabalhar para conferir mais autonomia ao órgão. “O trânsito é um problema que afeta toda a população, mesmo aquela que não tem automóvel e precisa do transporte público, pois o sistema de mobilidade urbana deve atuar integradamente”, diz o empresário.

Para Vanderlan, é preciso conferir personalidade jurídica com autonomia administrativa, operacional e financeira necessárias para uma política de trânsito eficiente. “A prefeitura desvia, dos recursos da SMT, hoje na casa dos R$ 35 milhões, receita para outros objetivos que não o cumprimento da lei que determina que os recursos de multas devam ser gastos no tripé engenharia, educação e fiscalização. Aí fica esse caos que atormenta a todos”, denuncia.

Na presença da presidente do Sinatran, Andréa Gonçalves, e do vice, Áureo Marcelo, o pré-candidato fez o compromisso de avaliar a realização de um concurso para a recomposição dos quadros da autoridade municipal de trânsito. “Sou adepto da boa política. E ela impõe a indicação de um corpo técnico qualificado para a gestão das áreas fins da administração. E o trânsito é uma atribuição das mais importantes do prefeito. E pra isso é necessário um quadro qualificado e efetivo”, diz Vanderlan.

Segundo relato dos dirigentes, a atual SMT possui um quadro de 322 agentes na totalidade, com cerca de 70 servidores em desvios de função, prestando serviços administrativos ou em outros órgãos e poderes. Segundo a lei, o mínimo exigido seria de 475 funcionários efetivamente na fiscalização de rua. Já as normas do Denatran recomendam que, para cada grupo de mil veículos haja um fiscal. Hoje Goiânia possui 1,3 milhão de automóveis.

Vanderlan também avalia ser necessário dar plenas condições de trabalho aos agentes, desde salários dignos à segurança e à autoridade necessárias para o cumprimento de suas funções.

“Sempre tive os funcionários públicos como aliados da administração e por isso trabalho para dar a eles as condições necessárias para fazer um trabalho bem feito, com o foco sempre direcionado ao bem estar do cidadão”, afirma.

O empresário destacou também que a prefeitura precisa investir com mais seriedade na educação para o trânsito, e não focar apenas em multas. Ele explicou que o dinheiro que a prefeitura arrecada com as infrações de trânsito precisa voltar para a população em forma de obras na melhoria do trânsito, como sinalizações mais eficientes, e principalmente para a educação. “A prefeitura precisa dar mais condições de trabalho para o agente de trânsito, além de investir em treinamento e equipamento, deve prepara-lo para o trabalho de educação de trânsito. A função do agente não é apenas multar, e eles sabem disso, mas por conta da omissão da prefeitura, falta condições para realizar um trabalho mais completo”, comentou.

O governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), firmou, na manhã desta sexta-feira, 17, um acordo com convênio com o Banco Mundial para cooperação no desenvolvimento, implementação e avaliação do programa de gestão compartilhada das escolas estaduais com as OSEs (Organizações Sociais Educacionais). Para o governador Marconi Perillo, a participação da organização vai dar condições a Goiás de trabalhar com mais segurança e com maior eficiência: “Ter o selo do Banco Mundial será muito importante para esse projeto. Tenho certeza que essa experiência será, daqui a alguns anos, comemorada pelo Banco Mundial como uma história de sucesso que ajudou a transformar a educação em todo o Brasil”.

A solenidade ocorreu no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira e contou com a presença do diretor do Banco no Brasil, Martin Raiser, de consultores da instituição e da secretária de Educação Raquel Teixeira. Marconi afirmou que sua maior motivação na última eleição foi o desafio de mudar a Educação no Estado com ênfase na qualidade. “Quero mudar completamente a cultura da gestão da Educação no nosso país. O Brasil já perdeu tempo demais por medo de quebrar paradigmas e fazer mudanças. O que me move na vida pública é a vontade de quebrar paradigmas”.

Raiser lembrou a importância da Educação no desenvolvimento de um país e parabenizou Marconi e sua equipe pela “ousadia” e “vontade” de transformar a área. “O experimento que vocês estão começando em Goiás é verdadeiramente novo e importante. Tenho muita satisfação em acompanhá-lo. Sabemos que o problema na educação no Brasil não é falta de recursos, mas sim a administração deles. Agradecemos esta oportunidade de trabalharmos em parceria com Goiás”, afirmou.

O trabalho em conjunto do Banco Mundial e o Estado de Goiás, por intermédio da Seduce, pretende compartilhar conhecimento, ideias e lições aprendidas; planejar atividades conjuntas em áreas de interesse comum; conjugar esforços e capacidades; utilizar da melhor maneira os recursos e facilidades e periodicamente avaliar a efetividade de trabalharem em conjunto. O Banco vai orientar o Estado no aperfeiçoamento de um modelo que inédito no Brasil. "Não existe nenhum tipo de acordo financeiro envolvido, o Banco Mundial e o Governo de Goiás fizeram um acordo técnico para o desenvolvimento das escolas através das OSEs", esclareceu a secretária.

No modelo de gestão compartilhada, as OSEs receberão recursos por número de alunos atendidos, para gerenciar não só a infraestrutura e a manutenção da escola, mas também para apoiar o desenvolvimento das atividades pedagógicas definidas pela SEDUCE, incluindo a seleção de professores. A contrapartida o aumento de eficiência na gestão da escola, por meio de modelos de gestão mais flexíveis e ganhos de escala; e a criação de um ambiente para a inovação pedagógica e alcance de resultados.

Para o Governo, a parceria engrandece uma missão que é fazer na escola pública um modelo ágil e eficiente. “Queremos uma escola em que o aluno pobre tenha a mesma qualidade das escolas particulares”, reafirmou Raquel. “Vamos repassar às OSs na Educação os recursos que hoje gastamos por aluno. Portanto, será um recurso baseado no número de alunos. Nós teremos economia na gestão para bons resultados e uma gestão eficiente. A Secretaria será a grande condutora do processo pedagógico e as OSEs atuarão na eficiência de gestão. Ganham os alunos, os pais, os professores e o Estado. Isso que se pretende em um mundo moderno: oferecer à população gratuitamente um serviço público de qualidade”, observou Raquel.

De acordo com ela, o edital do programa das OSs na Educação deve ser publicado rapidamente, pois já se encontra na Casa Civil e na Procuradoria Geral do Estado (PGE): "Acredito que em agosto já teremos o novo modelo nas 23 escolas públicas da cidade de Anápolis".

"A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), o Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (CNPG), a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), a Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM) e a Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT) vêm a público repudiar as tentativas vis de desqualificar a atuação do Ministério Público Federal, sobretudo as dirigidas ao Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot.

O postulado republicano de que todos são iguais perante a lei diz respeito tanto à proteção dos direitos fundamentais quanto ao dever de toda e qualquer pessoa responder por suas condutas ilícitas e criminosas. O Ministério Público cumpre ambos papéis com equilíbrio e altivez, malgrado as reações iníquas daqueles que jamais esperaram ser alcançados pela Justiça.

Em um Estado Democrático de Direito é imperativa a necessidade de a Constituição ser respeitada, e é nesse sentido que atuam agentes públicos e instituições com o dever de aplicar o direito a todos indistintamente.

No momento em que um membro do Ministério Público move o sistema de Justiça para responsabilizar faltosos, é natural a reação adversa dos chamados a se explicar. Isto acontece diuturnamente, é parte do trabalho do Ministério Público e ordinário na carreira de seus membros, que sempre seguem cumprindo seu dever sem temor.

Quando a sociedade assiste ataques ao Procurador-Geral da República, presencia exatamente o mesmo comportamento, apenas com a diferença de que entre os investigados com os quais lida o Chefe do MPU, por força da Constituição, incluem-se algumas das maiores autoridades do país. O PGR, assim como o Ministério Público, age sempre com total imparcialidade, de acordo com a lei, sem olhar a quem.

Certos de que o Brasil já atingiu a maturidade institucional necessária para fazer com que o País atravesse momentos de turbulência política, econômica e jurídica, os membros do Ministério Público asseguram a população de que continuarão atuando com serenidade na defesa dos direitos e garantias constitucionais."

José Robalinho Cavalcanti
Presidente da ANPR

Norma Angélica Cavalcanti
Presidente da CONAMP

Lauro Machado Nogueira
Presidente do CNPG

Ângelo Fabiano F. da Costa
Presidente da ANPT

Giovanni Rattacaso
Presidente da ANMPM

Elísio Teixeira Lima Neto
Presidente da AMPDFT

Fonte: ANPR

O governador Marconi Perillo afirmou hoje, durante abertura do 4º Fórum Brasileiro da Indústria de Alimentos, que o Brasil precisa avançar na agregação de valor de sua produção primária para garantir maior geração de emprego e renda. A defesa foi feita para cerca de 200 empresários da cadeia da alimentação que participam do evento, organizado pelo Lide – Grupo de Líderes Empresariais -, no Hotel Mercure, em Goiânia.

“A indústria da alimentação verticaliza nossa produção primária. Quando exportamos matéria-prima, sem agregação de valor, estamos exportando também empregos, que seriam gerados se tivéssemos uma indústria realizando este trabalho aqui. Quanto mais processamos matéria-prima, mais empregos criamos. É isso que temos de incentivar para o desenvolvimento industrial”, destacou.

Marconi analisou, no entanto, que uma política econômica mais estável é fundamental para este processo de verticalização. Para ele, a estabilidade propicia melhor condição para importar insumos, exportar produtos primários elaborados, além de uma política de câmbio e juros mais segura. “A política macroeconômica é fundamental para a gente ter um ambiente que possibilite o avanço industrial”, disse.

Ele lembrou que cabe ao Estado proporcionar a desburocratização e garantir uma oferta de infraestrutura de qualidade para o setor produtivo. “Assim geramos competitividade e atraímos investidores. O Brasil pode se transformar no grande produtor de alimentos do mundo. Já produzimos 200 toneladas de alimentos, mas podemos ir a mais. A desburocratização e infraestrutura precisam ser levadas a sério”.

O governador, antes de encerrar seu discurso, destacou os reflexos positivos da verticalização industrial vivenciada por Goiás: “Nos últimos dez anos, avançamos acima da média nacional na geração de empregos e a balança comercial multiplicou mais de 20 vezes de 1999 para cá. A modernização do agronegócio teve papel primordial nisso. Por isso, a agregação de valor deve ser pauta de todos os governos”.

Debates - Líder do setor que debate Agronegócios do Lide, o ex-ministro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) Roberto Rodrigues destacou a tese defendida por Marconi. Segundo ele, o Brasil é hoje o maior exportador de sete commodities (café, soja, suco de laranja, açúcar, carne de frango, carne bovina e tabaco). Mas, por conta de gargalos internos e do comércio internacional, ainda se agrega pouco valor a esta produção.

Citou o exemplo do café para ilustrar este cenário. “O Brasil exporta 27% da produção de café mundial. Menos de 2% desse total é torrado e moído aqui. Os campeões mundiais em café torrado e moído são Alemanha e Itália - dois países que não plantam um pé de café sequer. Eles pegam nosso café, da Colômbia, Vietnã e da Costa Rica misturam, torram e moem. O Brasil tem de ocupar este posto”, disse.

O chairman (presidente administrativo) do Lide e ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan também seguiu a defesa de Marconi Perillo. “Não há nada errado em exportar commodites agrícolas. O maior exportador são os EUA, por exemplo. Mas temos de agregar valor com inovação, tecnologia e criatividade. Uma tonelada de produto processado chega a 10 mil dólares. Uma tonelada de milho ou farelo de soja não passa de 300,00 dólares”, disse.

Furlan disse ainda que o Brasil vem se consolidando como expressivo protagonista na exportação de alimentos para o mundo, e que deverá ampliar suas negociações através dos acordos bilaterais. O chairman do LIDE enfatizou, porém, a necessidade de se criar um brand (marca de fábrica) para os produtos brasileiros, a exemplo das tulipas da Holanda, dos vinhos franceses ou do bacalhau de Portugal.

A programação do Fórum será encerrada à tarde com a outorga do 4°Prêmio Lide da Indústria de Alimentos 2016 para empresas de destaque no mercado nacional da Alimentação e com homenagem ao ex-ministro da Agricultura e Presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Francisco Turra. “O ministro Turra veio 14 vezes a Goiás em 16 meses que esteve à frente do ministério, entre 1998 e 1999. É, sem dúvida, um grande parceiro da economia goiana”, disse Marconi.

Goiânia sedia hoje o 4º Fórum Brasileiro da Indústria de Alimentos, realizado pelo Grupo de Líderes Empresariais, por meio do LIDE Agronegócios.

O objetivo do encontro é discutir a importância estratégica da produção de alimentos e o papel do Brasil nesse contexto. O encontro visa ainda a exposição de ideias e a proposta de soluções para compatibilizar o abastecimento do mercado interno com as demandas internacionais.

Dividido em três painéis, o programa de palestras abordará temas de grande atualidade: uma visão atual e tendências da indústria de alimentos; seguido de a busca de novos mercados para exportação; e negociações internacionais.

A programação do Fórum será encerrada com a outorga do 4°PRÊMIO LIDE DA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS 2016 para empresas de destaque no mercado nacional da Alimentação, categorias Desenvolvimento de Canais de Distribuição, Eficiência em Comunicação e Marketing, Inovação em Produtos e Indústria Exportadora.

O evento teve início ás 7h30 no Hotel Mercure.

A III CONVENÇÃO GOIÂNIA TATTOO começa neste sábado e traz uma programação diversificada, voltada para toda a família. A Convenção vai ocorrer no Oliveira’s Place, no setor Bueno, local de fácil acesso e com estrutura para acomodar todo o público com conforto e segurança.

As atividades começam no sábado, dia 18, a partir do meio-dia. Às 16 horas, haverá o julgamento do concurso de melhor tattoo. Às 19 horas, o DJ Mario Pires vai comandar a pista, abrindo espaço para o concurso de Miss Tattoo, às 20 horas.

No domingo, dia 19, o DJ Mario Pires volta com suas pick-ups às 14 horas, preparando o público para o julgamento das tattoos, às 17 horas. A premiação está marcada para as 21 horas, estendendo-se até a meia-noite.

Durante os dois dias, os participantes terão a chance de conhecer os melhores tatuadores do país, seus trabalhos e estilos e, claro, sair com mais uma tattoo estampada no corpo. A Convenção conta ainda com espaço para crianças, truck e bike foods e sorteio de uma tatuagem em cada dia do evento.

A III Convenção Goiânia Tattoo é uma realização do Estúdio Jander Tattoo, que tem o Jander Rodrigues como head. Jander é um nome presente na mente dos goianienses quando se trata de tatuagem. Com 17 anos de experiência é hoje um dos maiores expoentes do segmento no Centro-Oeste. Criterioso e perfeccionista, Jander está em constante desenvolvimento técnico e artístico e desenvolveu várias técnicas próprias, sendo o sombreamento uma de suas especialidades, o que o torna referência nacional. Jander já participou de vários festivais de tatuagem no Brasil e no mundo, sendo premiado e jurado em alguns deles.