Sidebar

21
outubro sbado

Goiás se mantém entre os líderes na geração de empregos no País em julho e nos primeiros sete meses do ano, mostra Caged

Typography
 Estado ocupa a terceira posição no saldo positivo de empregos em julho e no acumulado dos sete primeiros meses de 2017, aponta levantamento do Ministério do Trabalho e Emprego



  Goiás se mantém entre os Estados que mais geram empregos no País, mostram os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho divulgados nesta quinta-feira (10/8). Segundo o levantamento, o Estado ficou em terceiro lugar no saldo positivo de empregos no mês de julho, mesma posição verificada para os sete primeiros meses de 2017 (veja tabela).

A economia goiana também foi a única a registrar saldo positivo de emprego em todos os sete primeiros meses do ano, situação diferente mesmo entre São Paulo e Minas Gerais, primeiro e segundo colocados no saldo geral acumulado entre janeiro e julho. Segundo os dados do Caged, Goiás acumula 40.074 postos de trabalho criados nos sete primeiros meses de 2017, somados os saldos positivos mês a mês, o equivalente à terceira posição. Em julho, a economia goiana abriu 4.745 vagas a mais do que fechou, número também equivalente à terceira colocação.

Segundo o Caged, São Paulo lidera o ranking estadual de saldo positivo de geração de empregos entre janeiro e julho, com 81.550 novas vagas criadas. Na segunda posição aparece Minas Gerais, com 63.148 vagas criadas no período. São Paulo também lidera o ranking de julho, com 21.805 vagas criadas a mais que fechadas. A segunda posição para o sétimo mês do ano ficou com Mato Grosso, com saldo positivo de 8.085 vagas.

Segundo o Caged, em julho, entre as vinte e sete Unidades da Federação, verificou-se resultados positivos em vinte delas, com destaque para São Paulo, Mato Grosso e Goiás. Segundo o levantamento, o saldo positivo de empregos da economia goiana apresentou destaque no setor dos Serviços (+1.621 postos), da Indústria de Transformação (+1.234 postos) e da Construção Civil (+782 postos de trabalho).

O governador Marconi Perillo afirmou que os números do Caged comprovam "o bom momento da economia goiana, que demonstra na geração de empregos o acerto das políticas de austeridade fiscal adotadas pelo Governo de Goiás associada à manutenção de uma política de incentivos fiscais arrojada e diversificada, com respeito aos contratos, mantendo o Estado atrativo para os investimentos". "Isso vem se comprovando por meio de sucessivos anúncios de novos empreendimentos no Estado, atraídos também pela manutenção dos investimentos por parte do Estado, com destaque, desde março deste ano, para o Programa Goiás na Frente".